Placas Mercosul: tudo o que você precisa saber!

Placas Mercosul: tudo o que você precisa saber!

Quem roda pelas estradas brasileiras percebeu que há algum tempo muitos veículos já circulam com as placas Mercosul. 

Há anos sua implantação gerou muita confusão e ainda deixa muitas dúvidas em relação à obrigatoriedade do seu uso. 

A verdade é que após ser adiado por seis vezes, o Conselho Nacional de Trânsito, Contran, determinou o uso obrigatório do novo modelo de identificação veicular a partir do dia 31 de janeiro de 2020.

Passado um ano dessa determinação, muitos proprietários de veículos ainda têm dúvidas se precisam ou não proceder à troca e quando devem fazê-la.

Continue a leitura e saiba o motivo da mudança e se você precisa se adaptar a ela.

O que são as placas Mercosul?

Pode-se dizer que as placas Mercosul fazem parte de um sistema de identificação veicular padronizado para os países que compõem esse bloco.

A ideia surgiu em 2010, em uma reunião de representantes dessas nações.

Atualmente, já é utilizado na Argentina, Paraguai e Uruguai, sendo que a única variação está na nacionalidade de origem das chapas.

Qual o objetivo desse acordo?

O uso das placas Mercosul tem como objetivo facilitar tanto a segurança como a circulação dos veículos entre os países membros.

Isso também possibilita a criação de um banco de dados integrado entre eles com informações de registro dos automóveis licenciados no bloco sul-americano, a exemplo do que acontece na União Europeia, onde um sistema similar está em vigência.

Para quem a placa Mercosul é obrigatória no Brasil?

Atualmente, a obrigatoriedade do uso das placas Mercosul não vale para todos os veículos que circulam.

Ela é obrigatória:

  • na compra de carros novos e renovação de frota, ou seja, no primeiro emplacamento do veículo,
  • quando houver a transferência de um município para outro,
  • em casos de trocas de categorias, por exemplo, um automóvel comercial, como táxi, que passará a ser de passeio,
  • em casos que a placa antiga esteja danificada ou ilegível.

Mesmo sendo exigida somente nesses casos, todo proprietário que desejar aderir ao sistema de padronização pode se dirigir ao Detran local e proceder à troca.

Como funciona a troca das placas para os caminhões

Para os caminhões, a obrigatoriedade também se dá em casos do primeiro emplacamento.

Da mesma forma que em casos de mudanças de municípios, ou quando houver roubo, furto ou perda da mesma. 

Na necessidade da instalação da segunda placa traseira, ela também já será no novo modelo. 

Em caso de rompimento do lacre, ela será considerado como danificada, sendo necessária a sua troca.

As placas Mercosul apresentam todas o mesmo tamanho, fundo branco e a mesma quantidade de caracteres, que são quatro letras e três números. 

O que diferencia as categorias, como carros de passeio, oficiais, colecionadores, comerciais entre outros, será a cor dos caracteres. 

No caso de caminhões, classificados como veículos comerciais, os caracteres serão em vermelho. 

Onde compra e quanto custa?

O Detran não irá mais intermediar a compra das placas como fazia com os modelos antigos. Elas serão vendidas diretamente ao consumidor por empresas credenciadas.

Em relação ao preço, não existe um valor determinado, vai caber ao consumidor pesquisar e optar pelo mais em conta. 

Agora que você tirou suas dúvidas sobre as placas Mercosul, que tal continuar no nosso blog e conferir como funciona a Lei da Balança?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *