logística reversa de eletrônicos

Logística reversa de eletrônicos: um mercado a explorar

A tecnologia modifica costumes e torna obsoletos equipamentos que até então faziam parte do cotidiano familiar.

Novos sistemas operacionais, novos aplicativos que exigem mais processamento ou memória, bem como novas tecnologias que são implantadas em televisores, geladeiras, fogões e que aumentam a eficiência diminuindo custos, são lançados todos os dias.

E como ficam os antigos equipamentos que passam a ocupar espaço e perdem sua importância?

Esse artigo apresenta a logística reversa de eletrônicos e como esse mercado pode ser interessante para seu negócio. Continue lendo e confira!

O que é logística reversa de eletrônicos?

Logística reversa é uma área que tem por objetivo o retorno de materiais usados e descartados pela sociedade e que podem sofrer o reaproveitamento nas indústrias nos processos produtivos.

A logística reversa de eletrônicos é voltada ao reaproveitamento de equipamentos que ficaram obsoletos ou foram descartados em função da sua inutilidade ou substituição.

Esses descartes são realizados pelas próprias indústrias que eliminam as sobras e sucatas que não poderão ser mais utilizadas, como também pela própria sociedade, que substitui equipamentos eletrônicos, descartando os antigos.

Volume de sucata de eletrônicos no planeta

A ONU – Organização das Nações Unidas, através de um estudo realizado em 2017, divulgou que no ano de 2016 foram gerados no planeta 45 milhões de toneladas de lixo eletrônico.

Esse volume poderia construir 4.500 torres Eiffel, uma das maiores do mundo com 324 metros de altura.

O Brasil, nesse estudo, ocupa a primeira posição da América Latina, com a geração de 1,5 milhão de toneladas de lixo eletrônico.

O potencial do reaproveitamento dos eletrônicos

Os estudos da ONU mostram que em 2016 apenas 20% do material eletrônico descartado foi reaproveitado.

A imensa maioria desses resíduos acabam em aterros sanitários, o que significa que o material contido nesses produtos, tais como ouro, cobre, platina e paládio são jogados no lixo comum.

Além do problema ecológico, em 2016 foram jogados fora em material cerca de 55 bilhões de euros, o que em reais representa 228 bilhões.

Tomando por base o estudo da ONU, percebe-se que existe um mercado potencial a ser explorados pelas empresas.

Segundo estudos do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), dois terços desses materiais descartados são realizados nas 150 maiores cidades do país.

O poder público tem grandes dificuldades em lidar com tamanho volume e acredita que empresas privadas, como já vem acontecendo, tenham interesse em recolher, processar e vender o material para as indústrias.

Os chamados rejeitos eletrônicos, são divididos em 4 categorias:

  • Linha branca – geladeiras, freezers, máquinas de lavar, fogões, condicionadores de ar e afins;
  • Linha marrom – TV’s, DVD’s, CD’s, aparelhos de som e demais aparelhos de projeção e som;
  • Linha azul – pequenos eletrodomésticos como batedeiras, secadores, liquidificadores, ferros de passar e afins;
  • Linha verde – microcomputadores, laptops, celulares, tablets e afins.

O destino ideal da logística reversa de eletrônicos

Ainda que de maneira deficiente, mas que hoje já acontece, existe uma rota que faz com que os eletrônicos sejam coletados em residências ou empresas e cheguem ao destino ideal, que é o reaproveitamento após um processo de reciclagem.

As oportunidades existentes nessa logística são:

  • Transporte dos eletrônicos dos locais de descarte até uma central de triagem;
  • Recebimento e armazenagem dos produtos para futura triagem;
  • Transporte para local onde ocorre a triagem do que pode ser aproveitado ou não;
  • Transporte dos materiais separados por categorias para empresas recicladoras;
  • Pós reciclagem onde são realizadas as adaptações, renovação e reinserção na cadeia produtiva.

As oportunidades existem tanto para pequenos transportadores, autônomos e até mesmo “carretos” urbanos, como também para grandes empresas e frotas logísticas para atuar nesse promissor mercado.

As projeções são de um aumento considerável no descarte de eletrônicos, o que proporcionará grandes negócios num mercado que cresce e toma proporções cada vez maiores.

A CARGOBR, atenta às tendências de mercado, oferece uma plataforma que atende aos diversos modelos de transporte existentes no país. Acesse o site e faça uma cotação online.

indicadores da logística

Indicadores da logística: quais são os principais?

É muito importante o acompanhamento e a visão real dos acontecimentos da empresa, sem uma avaliação através de métodos eficientes, muitos problemas passam despercebidos.

Indicadores de desempenhos são excelentes jeitos de fazer essa avaliação, só assim é possível correções e mudanças estratégicas no competitivo mundo da logística e do transporte.

A partir das análises criteriosas desses números, é possível saber como está a saúde da empresa, bem como os pontos fortes e fracos da organização.

Nesse post será apresentado os principais indicadores de desempenho logístico em transporte e o que pode ser obtido a partir de cada um deles. Confira!

A importância dos indicadores da logística

A logística de uma empresa é seu coração, se não funcionar o negócio literalmente para.

Perguntas importantes precisam de respostas e a adoção de indicadores da logística contribui para obtê-las:

  • Minha logística possui qualidade?
  • As entregas acontecem com pontualidade?
  • O nível de avarias e problemas com a carga está dentro do aceitável?
  • Qual o tempo que se leva para a resolução dos problemas?
  • Os conhecimentos de transporte são preenchidos corretamente?
  • Qual o percentual da margem de lucro?
  • Os clientes estão satisfeitos com os trabalhos de transporte?

Os indicadores da logística apresentam a realidade do que ocorre no cotidiano e, a partir da sua análise, medidas de correções podem e devem ser adotadas para melhorar o desempenho.

Veja alguns deles:

1 – Percentual de entregas atrasadas

A partir da definição do tempo de análise (1, 3 ou 6 meses), levante o percentual de todas as entregas que foram realizadas com atraso.

Se esse número estiver acima do considerado normal por sua empresa, é necessária uma avaliação criteriosa dos motivos que podem estar ocasionando esse problema, como planejamento do roteiro inadequado, falta de veículos, etc.

Caso o transporte seja realizado com empresa terceirizada, é o momento para uma conversa a respeito dos serviços que estão sendo prestados.

2 – Nível de avarias e não conformidades

Esse indicador tem por objetivo o levantamento de entregas onde o cliente não aceitou a mercadoria por problemas de avarias ou não conformidade com o pedido.

Também entram nesse índice entregas não realizadas em função de endereços inválidos ou não localizados.

A partir dessas informações, consegue-se identificar problemas operacionais tanto na falta de cuidado com as cargas, como erros no preenchimento dos endereços de entrega.

3 – Tempo total do pedido

Esse indicador demonstra, a partir da entrada de um pedido na empresa, qual é o tempo que o cliente aguarda para receber suas mercadorias.

É o tempo total que envolve aprovação de crédito, separação, carregamento das mercadorias e efetiva entrega ao cliente final.

A partir desses números é possível verificar se existem problemas operacionais que impedem que o cliente seja atendido de maneira rápida ou está tudo dentro da normalidade prevista.

4 – Custo de transporte com relação ao valor da venda

O custo de transporte representa quanto, se comparado ao valor total do pedido? Esse também é um importante indicador para avaliar se as despesas com a logística não estão acima do normal.

Essa avaliação pode mostrar que os custos de logística estão além dos que foram previstos e, consequentemente, estão prejudicando e diminuindo a margem de lucro da empresa.

É necessário acompanhar de perto esse índice para evitar surpresas desagradáveis na operação.

5 – SLA (acordo de nível de serviço)

O SLA, do inglês Service Level Agreement, é um acordo entre empresas e clientes, definindo regras de relacionamento em contrato e tratando dos mais diversos assuntos envolvendo a área de logística.

Apesar de não ser propriamente um dos indicadores da logística, nesse documento são definidos tempo de entrega, valores e prazos para pagamento, bem como níveis de responsabilidade de cada uma das partes.

O SLA permite acompanhar diversos indicadores que devem ser avaliados constantemente, possibilitando verificar se todo o acordo está sendo cumprido dentro das normas negociadas e estabelecidas.

6 – Satisfação dos clientes

É fundamental a avaliação do seu cliente sob todos os aspectos envolvendo o transporte.

As avaliações e opiniões coletadas deverão, em conjunto com os outros indicadores, serem avaliadas e, se necessário, estudos devem ser feitos para a adoção de novas medidas visando aumentar a satisfação do cliente.

Se sua empresa ainda não utiliza os indicadores da logística, pode estar correndo o risco de perder clientes.

Agora que você conhece a importância nos indicadores de desempenho, que tal conhecer a CARGOBR e os serviços oferecidos? Acesse o site e conheça mais.

modal aéreo

Transporte aéreo: qual tipo de produto enviar?

O transporte aéreo ainda é um modal caro e restrito, uma vez que atende apenas as grandes cidades do país.

Os preços, se comparados com o transporte rodoviário, são elevados e a cobertura (em termos geográficos) é pequena.

O Governo tenta melhorar a infraestrutura aérea brasileira, desenvolvendo projetos que privatizam os aeroportos para, assim, ampliar a malha e a capacidade deles.

Mesmo com algumas dificuldades, a verdade é que o setor do transporte aéreo de cargas vem crescendo no país.

Nesse post você vai acompanhar os tipos de produtos que são recomendáveis ter seu envio através do transporte aéreo. Leia e confira!

Tipos de cargas recomendadas para transporte aéreo

De uma forma geral, os transportes rodoviários são os mais em conta em termos de custos para o envio de cargas, no entanto, alguns produtos precisam ser transportados pelo modal aéreo, como:

  • Cargas urgentes;
  • Cargas de alto valor;
  • Cargas com restrições.  

Dessa forma, o transporte aéreo apresenta características específicas.

O tempo de entrega e a segurança são fatores decisivos nesse modal e, na maioria das vezes, o valor do frete não é decisório.

Conheça quais produtos enviar no transporte aéreo:

1 – Cargas urgentes

Existem situações onde o tempo é primordial e, principalmente, em grandes distâncias, o transporte aéreo é perfeito para a resolução desse entrave.

Algumas encomendas podem chegar inclusive em algumas horas ao seu destino, se remetidas pelas vias aéreas.

Normalmente fazem parte dessa lista os seguintes produtos:

  • Alimentos perecíveis, flores e arranjos e outras cargas que possuem rápida deterioração;
  • Medicamentos e vacinas que precisam chegar rapidamente aos seus destinos;
  • Revistas, jornais e periódicos em geral, que possuem prazo de validade em função do noticiário;
  • Equipamentos médicos e de primeiros socorros, insumos hospitalares e órgãos para transplantes, que precisam ser usados imediatamente em função da urgência;
  • Cargas resfriadas ou congeladas para uso em curto período;
  • Itens e materiais para exposição em feiras e eventos, que precisam estar disponíveis para sua montagem;
  • Peças e itens de reposição que precisam chegar ao destino em função de máquinas que possam estar paradas.

2 – Cargas valiosas

A opção pelo transporte aéreo se dá pela rapidez e segurança, por isso, esse modal é a melhor opção quando se trata de carga valiosa.

São consideradas cargas de valor:

  • Pedras preciosas, joias, metais e artefatos de alto valor;
  • Equipamentos e componentes eletrônicos de alta tecnologia;
  • Ferramentas de precisão;
  • Obras de arte, peças e objetos antigos e de coleções.

3 – Cargas restritas

Existem também as chamadas cargas restritas que exigem rapidez no translado e extremo cuidado no manuseio.

Para esse tipo de carga a melhor opção é o transporte aéreo.

São consideradas cargas restritas:

  • Produtos químicos de uso controlado;
  • Explosivos;
  • Inflamáveis;
  • Isótopos radioativos.

Para o transporte aéreo desses produtos, a empresa precisa ter autorização da companhia aérea e todos as embalagens devem atender às normas de segurança da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA).

Esses produtos precisam passar por todo um cuidado especial em termos de embalagem, onde um aparato de segurança precisa estar incluso.

Como se percebe, o transporte aéreo geralmente é utilizado quando o fator tempo para entrega é urgente e também quando a segurança do produto enviado requer maior atenção.

Por esse diferencial, o transporte aéreo é um dos modais mais onerosos para a remessa de produtos.

Por outro lado, existem serviços de transportes rodoviários que oferecem rapidez e segurança para todo tipo de carga.

Se você está procurando uma transportadora qualificada para transportar a sua carga, acesse a página da CARGOBR e escolha a melhor para você.

tipos de eixo

Tipos de eixo: qual é o do seu caminhão?

Se tratando de transporte rodoviário de cargas, os veículos são divididos em categorias.

Existem os Veículos Urbanos de Cargas (conhecidos como VUCs) que podem ser classificados em tamanho pequeno, médio e grande, bem como os trucks e os superpesados.

Independente do tamanho dos caminhões, o que determina quanto cada um deles pode transportar é o número e o tipo de eixo que os modelos possuem

Ainda quanto a questão da carga máxima permitida, o fato é que, mesmo havendo normas relativas à carga máxima para os caminhões, também devem ser obedecidas as restrições ao peso máximo por eixo.

Isso quer dizer que, mesmo que você esteja carregando menos peso do que o permitido para uma carreta, pode estar incorrendo em uma infração em algum dos eixos da composição, por má distribuição da carga.

Se você quiser saber mais detalhes sobre como funciona os tipos de eixo e as cargas que cada caminhão pode transportar, continue lendo esse post.

Os tipos de eixo

O eixo é o local onde são instaladas as rodas dele. É esse eixo que liga os pneus de uma lateral a outra do caminhão.

Os eixos podem ser simples, duplos ou triplos e suportam um peso máximo que varia entre 6 e 30 toneladas de carga.

Eixos simples

Os eixos simples são indicados para transportes mais leves e fracionados e, geralmente, estão presentes nos veículos urbanos de cargas.

Normalmente são destinados para mudanças e para entregas de comércio varejistas em geral, como Casas Bahia e Magazine Luiza.

Os eixos simples se dividem dois tipos:

Rodagem simples – tem um pneu em cada ponta do eixo e pode suportar até 6 toneladas de carga.

Rodagem dupla – possuem dois pneus em cada ponta, sendo que esse tipo de eixo pode aguentar até 10 toneladas.

Eixos duplos

Os eixos duplos também são divididos em diferentes especificações.

Os eixos tandem que são aqueles de rodas duplas, compostos por dois ou mais eixos seguidos. Eles podem ser duplo (com 2 eixos e 2 rodas em cada extremidade), somando 8 pneus.

Os eixos tandem também podem ser triplos, apresentando 3 eixos e 2 rodas em cada extremidade, somando 12 pneus.

Já o outro tipo são os eixos duplos não em “tandem”, que são vistos nos caminhões com rodas duplas e com espaçamento maior de 2m entre elas.

Como funcionam os eixos duplos

Os eixos podem ter um espaçamento menor ou estar mais distantes.

Geralmente, no caso do menor espaçamento, os centros dos eixos estão a uma distância de 1,20m e no caso do maior espaçamento de até 2,40m.

Há ainda eixos com distância maior do que 2,40m.

Assim sendo, os eixos duplos podem possuir um eixo de rodagem simples (2 pneus) e um de rodagem dupla (4 pneus).

Quando o tandem for menor, o limite de carga é de 9 toneladas, no caso de um tandem maior, o volume vai a 13,5 toneladas.

Quando os dois eixos tiverem rodagem dupla, os pesos máximos serão de 15, 17 e 20 toneladas, respectivamente, para tandens de até 1,20m, de 1,20m a 2,40m e de mais de 2,40m de distância entre eixos.

Eixos triplos

Aqui se enquadram os caminhões grandes que rodam em baixa velocidade e geralmente transportam cereais a granel em suas carrocerias.

Esse tipo de eixo, o triplo, sempre possui três composições de rodagem dupla, totalizando 12 pneus.

O que varia é a distância entre os eixos: na primeira faixa de tandem, o peso máximo comportado é de 25,5 toneladas, passando para 27 toneladas e 30 toneladas, respectivamente, nas outras duas faixas de distanciamento entre eixos.

De forma sintetizada, é possível compreender todos os tipos de eixo no infográfico abaixo:

Tipos de eixo x rodagem

A distribuição de carga é uma ciência cuidadosa e envolve muitos cuidados para cumprir a legislação devidamente.

Você vai perceber que poderá encontrar eixo simples com rodagem dupla e vice-versa.

Escolher adequadamente o eixo para cada viagem e carga evita multas, otimiza o processo de entrega e diminui custos para as transportadoras.

Na hora de escolher uma transportadora para fazer a sua entrega de forma segura, prática e eficiente, a CARGOBR ajuda a escolher a melhor empresa. Faça uma cotação online!

futuro da logística

Transporte e Infraestrutura: qual o futuro da logística?

Todo produto comprado em uma loja ou supermercado, depende de pelo menos um transporte de carga para que chegue ao fornecedor e também ao consumidor final.

Sendo assim, o transporte de carga é uma das etapas fundamentais para a produção e distribuição de praticamente tudo aquilo que consumimos.

Mas, nem sempre o processo de transporte foi rápido e eficaz como hoje.

No passado, por exemplo, a maior parte das rodovias não era asfaltada e nem tinha iluminação, o que fazia com que toda a operação fosse difícil, demorada e custosa.

O progresso e a tecnologia chegaram para otimizar os processos de carga, mas, ainda existe muita novidade por vir para acelerar e melhorar toda essa infraestrutura.

Qual o futuro da logística no segmento de transportes de cargas? É isso que você vai saber lendo esse post.

As novidades do setor de transporte na área da logística

De 19 a 21 de 2019, aconteceu na cidade de São Paulo, a 25ª edição da Intermodal South America, reconhecida como a principal feira das Américas em logística, transporte de cargas e comércio exterior.

O evento reuniu as principais empresas de transportes nos modais rodoviário, ferroviário, naval e aéreo.

Também estiveram presentes empresas especializadas em serviços logísticos, apresentando lançamentos e dando um parecer de como será o futuro da logística dentro do segmento de transportes.

As expectativas em relação ao setor para o futuro são:

Containers com monitoramento em tempo real

Uma das novidades apresentada no evento foi a tecnologia que recebeu o nome de RCM.

Por meio dela, será possível monitorar, em tempo real, toda a carga, tendo acesso às informações desde o embarque até a entrega no seu destino.

A inovação é do Grupo Maersk e a partir do terceiro trimestre de 2019, todos os 370 mil contêineres da frota da empresa contarão com essa tecnologia.

Otimização nas comunicações

No evento também foram apresentadas novidades em relação à comunicação cliente e carga.

Na oportunidade foi lançado o aplicativo WeBrado, com foco total para o gerenciamento de risco da carga.

A tecnologia permitirá de maneira mais simplificada a rastreabilidade desde a saída até o momento de entrega da carga.

O aplicativo ainda permite consultas às notas fiscais, download de relatórios, exportação e compartilhamentos de arquivos, o que solucionará todo e qualquer problema de comunicação existente entre os envolvidos.

Uma outra novidade foi o website DHLi, que permite que as informações de embarques aéreos e marítimos sejam coletadas em tempo real. Por meio dele também é possível solicitar a reserva de espaço para carga.

Os serviços permitirão controle total da operação por meio de comunicação integrada entre o ponto de partida, motorista, carga e destino final.

Exceção feita para as novidades da Intermodal, o futuro da logística na área de transporte de carga, já vem se mostrando há mais tempo, principalmente no exterior.

Entrega por drone

Apesar de toda a tecnologia e inovação, com as vendas online estando em franco crescimento, a entrega por drone ainda não chegou no Brasil, embora seja uma expectativa para o futuro da logística.

Uma pesquisa realizada pela CNT, em relação ao uso do drone, aponta que 60,3% dos entrevistados ainda não estão preparados para receberem suas mercadorias em casa utilizando-se do equipamento e isso envolve razões culturais.

O uso do drone para entregas pode tornar toda a operação mais eficiente, além de diminuir custos e prazos, dada a agilidade do processo.

Além do mais, eles podem ajudar de forma significativa na sustentabilidade do planeta.

Veículos sem motorista

Andar num veículo sem motorista ainda é surreal para a maioria das pessoas.

Enviar uma carga por um veículo automatizado também está fora dos planos de muitos envolvidos no setor de transporte. Mas, por certo, será o futuro da logística.

A Uber, por exemplo, comprou em 2016 a Otto, empresa que desenvolveu o caminhão sem motorista, automatizado, que será utilizado para entrega de cargas.

Talvez ainda demore para que se crie a cultura do veículo sem motorista, mas, muito provável ele será comum num futuro.

O certo é que o futuro da logística tende a otimizar em todos os sentidos o sistema de transporte de cargas, com gestões eficientes que englobarão análise pontual de dados, permitirão comunicação em tempo real e integrada, gerando segurança e qualidade para quem transporta, para quem envia e para o cliente final.

A CARGOBR é uma plataforma que possibilita que você escolha a melhor e mais moderna transportadora para a sua carga, com o que há de mais moderno em termos de transporte rodoviário. Acesse o site e faça seu orçamento gratuito.