Indústria varejo e e-commerce

Indústria, varejo e e-commerce integrados

A globalização e a expansão da internet modificaram completamente a relação entre a indústria e o comércio.

A busca pela diminuição dos custos, bem como a tecnologia trabalhando a favor dos negócios, facilitaram o relacionamento entre o cliente, o varejo que faz a distribuição dos produtos e a indústria que os produzem.

O relacionamento entre os diversos canais e segmentos, a partir do e-commerce, já é uma realidade e é extremamente necessário.

Nesse post você vai saber sobre as integrações existentes e necessárias entre a indústria, o varejo e o e-commerce, bem como a logística por trás desses relacionamentos. Continue lendo e confira!

Integração da indústria e varejo

A indústria que é responsável pelo desenvolvimento e produção dos bens de consumo, peças e equipamentos, se aproxima cada vez mais do cliente final.

A tecnologia permitiu que novos relacionamentos comerciais fossem possíveis e há algum tempo sistemas integrados colaboram na diminuição de custos e na melhora dos serviços, agilizando processos e atendendo o mercado com mais eficiência.

A integração dos processos entre as indústrias, a partir de contratos de fornecimento de matéria-prima, bem como relacionamentos diretos com distribuidores, atacadistas e varejo impulsionam o mercado consumidor.

Com isso, todas as áreas se alavancam e promovem grandes negociações, movimentando o mercado e criando um grande diferencial junto ao consumidor final.

Vantagens para a indústria

A indústria se beneficia dessa integração, pois, fecha contratos com grandes redes varejistas que garantem maior movimentação comercial.

Empresas que atuam no mercado digital, por meio de lojas virtuais (e-commerce), comercializam milhares de produtos todos os dias, criando também uma demanda sem precedente para a indústria.

Acordos são fechados entre indústrias e empresas do varejo, apoiados pela tecnologia que possibilita previsões de faturamento com grande precisão, identificando, inclusive, os produtos mais comercializados.

Vantagens para o comércio

Lojas abastecidas no tempo certo e centros de distribuição que recebem os produtos das indústrias, a partir da demanda gerada, garantem a entrega ao consumidor final, diminuem estoques e facilitam a logística.

Os e-commerces criaram uma característica no cliente final distinta do mercado local, esse passou a aceitar um tempo maior entre a compra do produto e a entrega.

Além disso, as vendas realizadas por meio do e-commerce criaram hábitos no mercado consumidor que até então não existiam, como, por exemplo, avaliar o produto, utilizar buscadores de preços e a compra sem intermédios de vendedores.

Também desmistificou o pagamento antecipado e a espera para receber os produtos.

O transporte e o frete como parte essencial da cadeia integrada

Como não poderia ser diferente, a importância da logística e dos transportes é fundamental para o sucesso das operações integradas.

Os serviços de logística são importantes porque garantem, tanto para a indústria como para o comércio, o abastecimento e a entrega em tempo hábil dos produtos aos clientes e, consequentemente, a satisfação deles.

Novamente a tecnologia se faz presente, criando uma operação onde todos os participantes (indústria, comércio, logística) podem acompanhar em tempo real as etapas do frete.

Afinal de contas, a partir da compra realizada pelo consumidor, por meio do e-commerce, um processo eletrônico para atender o seu pedido é disparado, envolvendo todos os canais para o sucesso da operação, inclusive, as transportadoras e intermediadoras.

O que parecia ser impossível, hoje é uma realidade e funciona com precisão, movimentando milhões de reais todos os meses e distribuindo produtos por todo o país.

A CARGOBR tem participação decisiva nesse processo, oferecendo, através de sua plataforma eletrônica, as melhores opções de frete e transportes nos mais diversos modais e para todo o país.

Consulte o site e faça agora mesmo uma cotação, comprovando a capacidade de serviços oferecidos que atende grandes indústrias, distribuidoras e lojas eletrônicas.

logística reversa de eletrônicos

Logística reversa de eletrônicos: um mercado a explorar

A tecnologia modifica costumes e torna obsoletos equipamentos que até então faziam parte do cotidiano familiar.

Novos sistemas operacionais, novos aplicativos que exigem mais processamento ou memória, bem como novas tecnologias que são implantadas em televisores, geladeiras, fogões e que aumentam a eficiência diminuindo custos, são lançados todos os dias.

E como ficam os antigos equipamentos que passam a ocupar espaço e perdem sua importância?

Esse artigo apresenta a logística reversa de eletrônicos e como esse mercado pode ser interessante para seu negócio. Continue lendo e confira!

O que é logística reversa de eletrônicos?

Logística reversa é uma área que tem por objetivo o retorno de materiais usados e descartados pela sociedade e que podem sofrer o reaproveitamento nas indústrias nos processos produtivos.

A logística reversa de eletrônicos é voltada ao reaproveitamento de equipamentos que ficaram obsoletos ou foram descartados em função da sua inutilidade ou substituição.

Esses descartes são realizados pelas próprias indústrias que eliminam as sobras e sucatas que não poderão ser mais utilizadas, como também pela própria sociedade, que substitui equipamentos eletrônicos, descartando os antigos.

Volume de sucata de eletrônicos no planeta

A ONU – Organização das Nações Unidas, através de um estudo realizado em 2017, divulgou que no ano de 2016 foram gerados no planeta 45 milhões de toneladas de lixo eletrônico.

Esse volume poderia construir 4.500 torres Eiffel, uma das maiores do mundo com 324 metros de altura.

O Brasil, nesse estudo, ocupa a primeira posição da América Latina, com a geração de 1,5 milhão de toneladas de lixo eletrônico.

O potencial do reaproveitamento dos eletrônicos

Os estudos da ONU mostram que em 2016 apenas 20% do material eletrônico descartado foi reaproveitado.

A imensa maioria desses resíduos acabam em aterros sanitários, o que significa que o material contido nesses produtos, tais como ouro, cobre, platina e paládio são jogados no lixo comum.

Além do problema ecológico, em 2016 foram jogados fora em material cerca de 55 bilhões de euros, o que em reais representa 228 bilhões.

Tomando por base o estudo da ONU, percebe-se que existe um mercado potencial a ser explorados pelas empresas.

Segundo estudos do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), dois terços desses materiais descartados são realizados nas 150 maiores cidades do país.

O poder público tem grandes dificuldades em lidar com tamanho volume e acredita que empresas privadas, como já vem acontecendo, tenham interesse em recolher, processar e vender o material para as indústrias.

Os chamados rejeitos eletrônicos, são divididos em 4 categorias:

  • Linha branca – geladeiras, freezers, máquinas de lavar, fogões, condicionadores de ar e afins;
  • Linha marrom – TV’s, DVD’s, CD’s, aparelhos de som e demais aparelhos de projeção e som;
  • Linha azul – pequenos eletrodomésticos como batedeiras, secadores, liquidificadores, ferros de passar e afins;
  • Linha verde – microcomputadores, laptops, celulares, tablets e afins.

O destino ideal da logística reversa de eletrônicos

Ainda que de maneira deficiente, mas que hoje já acontece, existe uma rota que faz com que os eletrônicos sejam coletados em residências ou empresas e cheguem ao destino ideal, que é o reaproveitamento após um processo de reciclagem.

As oportunidades existentes nessa logística são:

  • Transporte dos eletrônicos dos locais de descarte até uma central de triagem;
  • Recebimento e armazenagem dos produtos para futura triagem;
  • Transporte para local onde ocorre a triagem do que pode ser aproveitado ou não;
  • Transporte dos materiais separados por categorias para empresas recicladoras;
  • Pós reciclagem onde são realizadas as adaptações, renovação e reinserção na cadeia produtiva.

As oportunidades existem tanto para pequenos transportadores, autônomos e até mesmo “carretos” urbanos, como também para grandes empresas e frotas logísticas para atuar nesse promissor mercado.

As projeções são de um aumento considerável no descarte de eletrônicos, o que proporcionará grandes negócios num mercado que cresce e toma proporções cada vez maiores.

A CARGOBR, atenta às tendências de mercado, oferece uma plataforma que atende aos diversos modelos de transporte existentes no país. Acesse o site e faça uma cotação online.

indicadores da logística

Indicadores da logística: quais são os principais?

É muito importante o acompanhamento e a visão real dos acontecimentos da empresa, sem uma avaliação através de métodos eficientes, muitos problemas passam despercebidos.

Indicadores de desempenhos são excelentes jeitos de fazer essa avaliação, só assim é possível correções e mudanças estratégicas no competitivo mundo da logística e do transporte.

A partir das análises criteriosas desses números, é possível saber como está a saúde da empresa, bem como os pontos fortes e fracos da organização.

Nesse post será apresentado os principais indicadores de desempenho logístico em transporte e o que pode ser obtido a partir de cada um deles. Confira!

A importância dos indicadores da logística

A logística de uma empresa é seu coração, se não funcionar o negócio literalmente para.

Perguntas importantes precisam de respostas e a adoção de indicadores da logística contribui para obtê-las:

  • Minha logística possui qualidade?
  • As entregas acontecem com pontualidade?
  • O nível de avarias e problemas com a carga está dentro do aceitável?
  • Qual o tempo que se leva para a resolução dos problemas?
  • Os conhecimentos de transporte são preenchidos corretamente?
  • Qual o percentual da margem de lucro?
  • Os clientes estão satisfeitos com os trabalhos de transporte?

Os indicadores da logística apresentam a realidade do que ocorre no cotidiano e, a partir da sua análise, medidas de correções podem e devem ser adotadas para melhorar o desempenho.

Veja alguns deles:

1 – Percentual de entregas atrasadas

A partir da definição do tempo de análise (1, 3 ou 6 meses), levante o percentual de todas as entregas que foram realizadas com atraso.

Se esse número estiver acima do considerado normal por sua empresa, é necessária uma avaliação criteriosa dos motivos que podem estar ocasionando esse problema, como planejamento do roteiro inadequado, falta de veículos, etc.

Caso o transporte seja realizado com empresa terceirizada, é o momento para uma conversa a respeito dos serviços que estão sendo prestados.

2 – Nível de avarias e não conformidades

Esse indicador tem por objetivo o levantamento de entregas onde o cliente não aceitou a mercadoria por problemas de avarias ou não conformidade com o pedido.

Também entram nesse índice entregas não realizadas em função de endereços inválidos ou não localizados.

A partir dessas informações, consegue-se identificar problemas operacionais tanto na falta de cuidado com as cargas, como erros no preenchimento dos endereços de entrega.

3 – Tempo total do pedido

Esse indicador demonstra, a partir da entrada de um pedido na empresa, qual é o tempo que o cliente aguarda para receber suas mercadorias.

É o tempo total que envolve aprovação de crédito, separação, carregamento das mercadorias e efetiva entrega ao cliente final.

A partir desses números é possível verificar se existem problemas operacionais que impedem que o cliente seja atendido de maneira rápida ou está tudo dentro da normalidade prevista.

4 – Custo de transporte com relação ao valor da venda

O custo de transporte representa quanto, se comparado ao valor total do pedido? Esse também é um importante indicador para avaliar se as despesas com a logística não estão acima do normal.

Essa avaliação pode mostrar que os custos de logística estão além dos que foram previstos e, consequentemente, estão prejudicando e diminuindo a margem de lucro da empresa.

É necessário acompanhar de perto esse índice para evitar surpresas desagradáveis na operação.

5 – SLA (acordo de nível de serviço)

O SLA, do inglês Service Level Agreement, é um acordo entre empresas e clientes, definindo regras de relacionamento em contrato e tratando dos mais diversos assuntos envolvendo a área de logística.

Apesar de não ser propriamente um dos indicadores da logística, nesse documento são definidos tempo de entrega, valores e prazos para pagamento, bem como níveis de responsabilidade de cada uma das partes.

O SLA permite acompanhar diversos indicadores que devem ser avaliados constantemente, possibilitando verificar se todo o acordo está sendo cumprido dentro das normas negociadas e estabelecidas.

6 – Satisfação dos clientes

É fundamental a avaliação do seu cliente sob todos os aspectos envolvendo o transporte.

As avaliações e opiniões coletadas deverão, em conjunto com os outros indicadores, serem avaliadas e, se necessário, estudos devem ser feitos para a adoção de novas medidas visando aumentar a satisfação do cliente.

Se sua empresa ainda não utiliza os indicadores da logística, pode estar correndo o risco de perder clientes.

Agora que você conhece a importância nos indicadores de desempenho, que tal conhecer a CARGOBR e os serviços oferecidos? Acesse o site e conheça mais.

modal aéreo

Transporte aéreo: qual tipo de produto enviar?

O transporte aéreo ainda é um modal caro e restrito, uma vez que atende apenas as grandes cidades do país.

Os preços, se comparados com o transporte rodoviário, são elevados e a cobertura (em termos geográficos) é pequena.

O Governo tenta melhorar a infraestrutura aérea brasileira, desenvolvendo projetos que privatizam os aeroportos para, assim, ampliar a malha e a capacidade deles.

Mesmo com algumas dificuldades, a verdade é que o setor do transporte aéreo de cargas vem crescendo no país.

Nesse post você vai acompanhar os tipos de produtos que são recomendáveis ter seu envio através do transporte aéreo. Leia e confira!

Tipos de cargas recomendadas para transporte aéreo

De uma forma geral, os transportes rodoviários são os mais em conta em termos de custos para o envio de cargas, no entanto, alguns produtos precisam ser transportados pelo modal aéreo, como:

  • Cargas urgentes;
  • Cargas de alto valor;
  • Cargas com restrições.  

Dessa forma, o transporte aéreo apresenta características específicas.

O tempo de entrega e a segurança são fatores decisivos nesse modal e, na maioria das vezes, o valor do frete não é decisório.

Conheça quais produtos enviar no transporte aéreo:

1 – Cargas urgentes

Existem situações onde o tempo é primordial e, principalmente, em grandes distâncias, o transporte aéreo é perfeito para a resolução desse entrave.

Algumas encomendas podem chegar inclusive em algumas horas ao seu destino, se remetidas pelas vias aéreas.

Normalmente fazem parte dessa lista os seguintes produtos:

  • Alimentos perecíveis, flores e arranjos e outras cargas que possuem rápida deterioração;
  • Medicamentos e vacinas que precisam chegar rapidamente aos seus destinos;
  • Revistas, jornais e periódicos em geral, que possuem prazo de validade em função do noticiário;
  • Equipamentos médicos e de primeiros socorros, insumos hospitalares e órgãos para transplantes, que precisam ser usados imediatamente em função da urgência;
  • Cargas resfriadas ou congeladas para uso em curto período;
  • Itens e materiais para exposição em feiras e eventos, que precisam estar disponíveis para sua montagem;
  • Peças e itens de reposição que precisam chegar ao destino em função de máquinas que possam estar paradas.

2 – Cargas valiosas

A opção pelo transporte aéreo se dá pela rapidez e segurança, por isso, esse modal é a melhor opção quando se trata de carga valiosa.

São consideradas cargas de valor:

  • Pedras preciosas, joias, metais e artefatos de alto valor;
  • Equipamentos e componentes eletrônicos de alta tecnologia;
  • Ferramentas de precisão;
  • Obras de arte, peças e objetos antigos e de coleções.

3 – Cargas restritas

Existem também as chamadas cargas restritas que exigem rapidez no translado e extremo cuidado no manuseio.

Para esse tipo de carga a melhor opção é o transporte aéreo.

São consideradas cargas restritas:

  • Produtos químicos de uso controlado;
  • Explosivos;
  • Inflamáveis;
  • Isótopos radioativos.

Para o transporte aéreo desses produtos, a empresa precisa ter autorização da companhia aérea e todos as embalagens devem atender às normas de segurança da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA).

Esses produtos precisam passar por todo um cuidado especial em termos de embalagem, onde um aparato de segurança precisa estar incluso.

Como se percebe, o transporte aéreo geralmente é utilizado quando o fator tempo para entrega é urgente e também quando a segurança do produto enviado requer maior atenção.

Por esse diferencial, o transporte aéreo é um dos modais mais onerosos para a remessa de produtos.

Por outro lado, existem serviços de transportes rodoviários que oferecem rapidez e segurança para todo tipo de carga.

Se você está procurando uma transportadora qualificada para transportar a sua carga, acesse a página da CARGOBR e escolha a melhor para você.

responsabilidade social na cadeia de suprimentos

A responsabilidade social na cadeia de suprimentos

Cadeia de suprimentos é a movimentação exercida pelas empresas para que os produtos possam chegar aos seus destinos e atender o consumo da população.

Desde a comida que chega à mesa, o carro que você dirige e todo o conforto material que faz parte da vida, chegaram através da cadeia de suprimentos.

Há uma série de profissionais envolvidos nesse processo para que o produto chegue no consumidor final, como fornecedores, produtores e setores de expedição.

Nesse conjunto de relações, as empresas precisam desenvolver responsabilidades sociais e ambientais nas suas operações porque uma está ligada à outra de forma direta ou indireta.

Nesse post, você vai saber sobre a importância da responsabilidade social na cadeia de suprimentos. Continue lendo!

O que é responsabilidade social?

Responsabilidade social é uma prática voluntária que consiste num conjunto de ações adotadas pelas empresas para promover o bem-estar, tanto dentro das suas organizações, bem como externamente.

Uma empresa que adota a responsabilidade social proporciona mais qualidade de vida para os seus funcionários e familiares e se preocupa em reduzir os impactos negativos que sua atividade causa na comunidade e no meio ambiente.

Para isso, promove ações de conscientização ambiental, demonstra transparência nas suas atividades e toda a sua organização é pautada na ética.

Esse conjunto de atitudes gera uma relação baseada em valores morais com os seus parceiros e, por isso, a responsabilidade social na cadeia de suprimentos já não é uma opção e, sim, uma necessidade.

Importância da responsabilidade social na cadeia de suprimentos

A responsabilidade social na cadeia de suprimentos deve ser pautada em práticas que farão com que todas as empresas envolvidas sejam beneficiadas.

Dessa forma, todos devem se esforçar para cumprir seu papel e exigir do parceiro também o cumprimento.

Contratados e contratantes precisam estar conscientes dos códigos legais que devem ser cumpridos, bem como estabelecer uma relação baseada em valores morais e éticos entre si.

Essa relação saudável estabelece o grau de comprometimento de cada um dos envolvidos em ações de responsabilidade social na cadeia de suprimentos.

Práticas adotadas por empresas responsáveis socialmente

Entre as ações de responsabilidade social na cadeia de suprimentos destacam-se:

  • Reconhecimento e respeito aos direitos humanos;
  • Salários justos aos seus funcionários;
  • Cumprimento da legislação vigente;
  • Carga horária justa e compatível;
  • Repúdio à corrupção;
  • Repúdio ao trabalho infantil;
  • Proteção dos funcionários com relação à saúde e segurança;
  • Proteção ambiental;
  • Repúdio a qualquer tipo de discriminação;
  • Liberdade de associação e busca de seus direitos.

Empresas responsáveis socialmente monitoram regularmente se as condutas de seus parceiros estão em conformidade com os acordos estabelecidos, fiscalizando e exigindo de seus fornecedores ações e práticas correspondentes.

Quem ganha com a responsabilidade social?

Todos ganham quando uma empresa resolve praticar a responsabilidade social na cadeia de suprimentos.

Os funcionários sabem que estão trabalhando em uma empresa que investe e se preocupa com o bem-estar e progresso profissional de cada um.

A população percebe, através das ações, que a empresa está envolvida com a comunidade e colaborando para a melhoria da qualidade de vida das pessoas e para a sustentabilidade do planeta.

E a empresa passa a ser vista como uma corporação responsável, voltada ao progresso e preocupada com o sucesso de todos os envolvidos, passando a conquistar a confiança dos clientes.

A CARGOBR se preocupa com a responsabilidade social e tem como parceiro apenas empresas que também estão envolvidas nessa causa. Entre no site e conheça o trabalho!