[infográfico] Tipos de frete: CIF ou FOB. O que são e quando usar?

A área de logística tem sido um dos principais focos de atenção quando se fala em redução de custos, pois é um setor em que há um grande número de ações com diversas possibilidades de ajustes, incluindo os tipos de frete, quando se pensa em entrega e distribuição de produtos.

Mas, você sabe quais são os tipos de frete existentes, e quando utilizá-los para otimizar os custos e oferecer preços mais atrativos para seus clientes e se tornando um competidor mais qualificado no seu segmento?    

Tipos de frete

Basicamente, existem 2 tipos de frete que você pode escolher quando pensa na entrega e distribuição dos seus produtos; o CIF e o FOB.

CIF (Cost, Insurance and Freight)

Neste tipo de frete é, os custos são pagos na origem da carga, ou seja, por você, assim como a responsabilidade pelo manuseio e entrega também são suas.

Porém, na grande maioria dos casos, o valor do frete é diluído no preço do produto a ser entregue.

Seu nome é a sigla formada pelas palavra Custo, Seguro e Frete – em inglês – significando que estes serão os custos com os quais você irá arcar ao embarcar seu produto para o comprador.

FOB (Free on Board)

O frete FOB é exatamente o inverso do CIF, e significa, em tradução livre do inglês, Gratuito no Embarque. Ou seja, os custos totais do frete são de responsabilidade do comprador.

Assim, a carga fica sob sua responsabilidade até o momento do embarque, sendo o comprador o responsável pelo seu pagamento, transporte e retirada.

Por este motivo, é possível reduzir o valor da sua mercadoria, mas o valor do frete pode assustar o comprador, uma vez que, provavelmente, ele não tenha como negociar os valores com a transportadora.

Quando usar o CIF?

Aqui vale usar um pouco de empatia. Então, mesmo que sua responsabilidade e custos possam aumentar, vale pensar no seu cliente!

Se você vende para o consumidor final, que certamente é uma pessoa com pouca, ou nenhuma, prática com transporte de cargas, imagine como ele pode se sentir vulnerável ao ter que lidar com todos os processos do frete.

O CIF é nesses casos, pois nesta situação, mesmo que o valor do produto, para o seu cliente, seja um pouco maior e você se responsabilize pelo transporte até a entrega, você está oferecendo valor junto ao seu produto, o que pode ser a diferença entre vender ou perder para a concorrência.

Quando usar o FOB?

Agora, se seu produto não é voltado para o consumidor final, mas para um revendedor, ou uma empresa que o utiliza como matéria prima para sua própria mercadoria, talvez o FOB seja a opção mais indicada.

Isso porque ele, provavelmente, tem conhecimento sobre transporte de carga e não se sentiria desamparado por ter que lidar com estes processos, inclusive podendo ter parcerias com transportadoras que lhe ofereçam condições melhores de pagamento do que se deixasse o transporte em sua responsabilidade.

Assim, ao pensarmos qual tipo de frete é o mais adequado para a nossa realidade, é preciso ter muito claro para quem estamos vendendo e quais suas dores e desafios ao pensar em transporte de carga.

Não há uma regra de ouro, mas ficar atento às realidade do seu público é um fator essencial para saber qual opção escolher!

Se você quer saber mais sobre frete e formas de economizar ao oferecer o transporte como valor agregado ao seu serviço, temos um infográfico que vai te ajudar muito a entender como gastar menos com frete e vender mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *