motorista de caminhão

Passo a passo para se tornar motorista de caminhão

Muitas crianças já sonharam em um dia dirigir uma carreta e sair pelas estradas do mundo.

Imaginar a vida de um motorista de caminhão que viaja por todo o país, possui amigos de norte a sul e conhece muitas cidades e muitas paisagens deslumbrantes, também já fez parte do sonho de muita gente.

No entanto, tornar-se um motorista é assumir muitas responsabilidades, pois, envolve vidas, pressão para chegar e estar pronto para partir. É necessário muita maturidade e dedicação.

Nesse post será apresentado um passo a passo do que é necessário para se tornar um motorista de caminhão. Confira!

Como se tornar um motorista de caminhão?

Para ingressar na profissão de motorista, não basta apenas boa vontade e o desejo de viajar.

A profissão exige dedicação, conhecimento técnico, equilíbrio comportamental e emocional.

A caminhada envolve persistência, trabalho e muita vontade, mas o retorno é compensador e de grandes oportunidades.

Vamos aos passos:

1 – CNH – Carteira Nacional de Habilitação

A carteira de motorista para caminhoneiros que desejam trabalhar com grandes veículos precisa ser da categoria “E” que, segundo a legislação, é a que proporciona a habilitação para dirigir trailers, carretas e articulados, acima de 6 toneladas.

Para obter essa condição, algumas exigências precisam ser atendidas:

  • Estar habilitado há pelo menos um ano na categoria “C” ou há um ano na “D” e ter no mínimo 21 anos;
  • Não ter cometido nenhuma infração grave ou gravíssima nos últimos 12 meses;
  • Não ser reincidente em infrações médias nos últimos 12 meses;
  • Realizar exame médico;
  • Realizar avaliação psicológica;
  • Apresentar comprovante de aulas práticas em direção veicular;
  • Fazer a prova e ser aprovado nos testes de direção veicular.

Para os motoristas que pretendem transportar cargas consideradas perigosas, é necessário a comprovação de curso especializado no assunto.

2 – Buscar oportunidades no mercado

De posse de sua carteira de habilitação, o momento agora é o de buscar sua primeira oportunidade.

Existem duas possibilidades:

Empregado – onde você se coloca à disposição das transportadoras ou empresas que necessitam de motoristas.

Autônomo – você pode adquirir seu primeiro caminhão, mas precisa lembrar que terá que pagar o financiamento, conseguir cargas e sobreviver com a receita gerada pelos fretes.

3 – Exigência para os profissionais autônomos

A Lei n.º 11.442 de 5 de janeiro de 2007, artigo 2º, exige que o Transportador Autônomo de Carga (TAC) deverá fazer sua inscrição no Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas (RNTRC) da ANTT.

Para se regularizar, ele deverá comparecer em uma das unidades regionais da agência ou em um posto credenciado e comprovar requisitos como ter Cadastro de Pessoa Física (CPF ativo) e Carteira de Identidade (RG).

Deverá ainda, estar em dia com sua contribuição sindical e ser proprietário, co-proprietário ou arrendatário de, no mínimo, um veículo ou uma combinação de veículos de tração e de cargas.

Esse veículo deverá ter Capacidade de Carga Útil – CCU, igual ou superior a quinhentos quilos.

Ainda, o futuro autônomo deverá ser aprovado em um curso específico ou ter ao menos três anos de experiência na atividade.

O curso específico para o TAC terá que ser ministrado por instituição de ensino credenciada nas Secretarias Estaduais de Educação ou em cursos ministrados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem em Transporte, Sistema “S”.

4 – Cidade ou Estrada

Existem muitas oportunidades como motorista de caminhão, no entanto, o formato de trabalho é diferenciado nas cidades e nas estradas.

O motorista que possui a CNH categoria “C”, já pode trabalhar com caminhões que tenham como peso bruto entre 3.500 kg e 6.000 kg. Normalmente são caminhões leves para entregas nas cidades.

Já a categoria “D” é destinada a motoristas para transporte de passageiros.

Se o seu desejo for trabalhar como motorista de caminhão nas estradas, dirigindo veículos acima de 6 toneladas, obrigatoriamente deverá ter a CNH Categoria “E”.

Normalmente as empresas contratam os novatos para trabalhos próximos a sua sede e na medida em que adquirem experiência, são promovidos a viagens mais longas com veículos maiores.

Agora é com você! Faça o planejamento de sua carreira, cumpra suas obrigações e vá para o mercado de trabalho, o Brasil precisa de bons motoristas profissionais.

Se você gostou desse post, leia também Frotas e Estradas – um crescimento desigual.

Não sabe como contratar frete? Confira aqui nosso guia de transportadoras e saiba tudo que precisa!

O produto está pronto para ser enviado ao cliente e agora vem aquela grande dúvida: quem contratar para levar a encomenda? Foi pensando em ajudá-lo nesse desafio que elaboramos um guia para escolher a transportadora, para orientar a seleção da melhor empresa no segmento.

São dicas valiosas que devem ser levadas em consideração no momento de busca do frete. Afinal, de nada vale o empenho pelo envio do melhor produto se ele não chegar nas condições adequadas, assim como em atraso, o que pode gerar descontentamento no cliente final. Confira todos os pontos importantes para escolher a melhor empresa de transportes, a sua parceira na logística e na conquista do sucesso!

Leia Mais

Cuidado, os Correios não servem para tudo…

Grande parte das remessas e transportes no Brasil são feitas pelos Correios, como não poderia deixar de ser. Além de prestadora mais tradicional e empresa pública, os Correios possuem exclusividade em alguns tipos de remessa e sim, preços muito bons em muitos casos para envio de mercadorias e fretes leves. Mas se você APENAS usa os Correios pode estar perdendo dinheiro.

Pesquisar preços com fornecedores é algo vital para qualquer empresa, porém quando se trata de serviços como o Sedex, pequenos empresários apenas aceitam os preços dos Correios como sendo os mais vantajosos – mas isso nem sempre ocorre. Os Correios, apesar de públicos, são uma empresa com custos e formação de preços como todas as demais e em algumas regiões, rotas e nichos, transportadoras privadas simplesmente conseguem fazer preços muito mais baratos.

Quando pesquisar?

Nós diríamos sempre: é possível ter uma ideia dos preços praticados por transportadoras para determinada rota e remessa em menos de um minuto. Aqui na CargoBR, por exemplo, disponibilizamos cotações com transportadoras em tempo real para sua carga. Basta ingressar em nosso site, cadastrar sua carga e, em alguns segundos, você terá cotações em tempo real de várias transportadoras diferentes. Depois, basta comparar com o valor que você pagaria nos Correios.

É claro, uma boa parceria com os Correios, especialmente se você atua no comércio online, é essencial para sua empresa, mas sempre realize cotações, de tempos em tempos, para saber se alguma rota ou operação pode ser barateada com o uso de um fornecedor ou transportadora privados. Você se surpreenderá com como os preços podem ser mais em conta em alguns casos.

Onde os Correios sempre ganham?

Claro, há rotas nas quais os Correios são imbatíveis. Regiões mais inacessíveis, de difícil acesso ou com poucas opções de modais e rotas devem geralmente ser deixadas por conta dos Correios. Com agências em praticamente qualquer lugar do país, os Correios conseguem de um modo ou de outro entregar produtos que muitas transportadoras simplesmente falham em transportar ou cobram extras caros demais para tornar a remessa viável. Entretanto, esse tipo de entrega é praticamente uma exceção para a maioria das empresas, que em geral atuam com clientes em grandes centros urbanos para 80% ou 90% de suas vendas.

Os Correios também possuem algumas facilidades para parceiros que podem tornar remessas mais baratas. O problema, nesse caso, é um só – os Correios são enormes, então para que você tenha alguma vantagem representativa de custo em parcerias, é preciso lidar com volumes muito, mas MUITO grandes.

 

Ajuda humanitária: A logística de fazer o bem

Imagine receber milhares de diferentes produtos e equipamentos de centenas de fontes de todos os Estados Unidos e não saber o que cada remessa conterá até a chegada no seu armazém.

Pode soar como um pesadelo de supply chain, mas isso é normal para a MedShare, uma organização sem fins lucrativos localizada em Decatur, Georgia, Estados Unidos, que recupera e redistribui equipamentos e suprimentos médicos excedentes. Leia Mais