Omni-Channel

Omni-Channel: entenda essa tendência

O Omni-Channel é uma tendência que surgiu para facilitar a vida do cliente, integrando todos os canais que a empresa utiliza. Essa tendência está em expansão principalmente no comércio varejista e faz com que o cliente não veja um rompimento entre as lojas virtuais e as lojas físicas de uma mesma empresa.

A característica mais marcante do Omni-Channel é essa integração. A loja física, a loja virtual e o cliente podem interagir em ambos os canais, e daí surge a evolução do conceito multicanal. O seu cliente deve estar em primeiro lugar e para isso você deve atendê-lo onde ele achar melhor.

Omni-Channel e o foco no cliente

O cliente no Omni-Channel é o centro de tudo. Ele deve ter acesso fácil à sua empresa, seja virtualmente: pelas redes sociais, por aplicativo de celular, mas também nas suas instalações físicas: lojas e afins.

Essas interações fazem com que a empresa consiga conhecer as preferências dos clientes e isso se torna um facilitador das compras online.  Seu cliente certamente se sentirá mais seguro se saber que pode comprar online e efetuar a troca, se for necessário, em uma loja física.

Essas integrações propostas pelo Omni-Channel trazem mais rapidez e eficiência em todo o seu ciclo de vendas, além de tornar o pós-venda mais competitivo e eficaz.

A experiência do cliente com a sua marca deve acontecer em todos os meios e por isso é essencial que todos os canais da sua empresa se conversem.

Sua loja virtual deve ter dados que o cliente enviou no Facebook, sua loja física precisa saber as interações do cliente no aplicativo no celular, os e-mails de marketing devem conversar com as compras feitas na loja física. Todo o histórico do cliente deve estar presentes em todos os canais.

Não tem nada mais frustrante para um cliente do que ter que fazer a mesma solicitação três vezes, pois em todos os meios que utiliza os dados são solicitados novamente.

Omni-Channel na prática…

O primeiro passo (e muito importante!) é integrar as suas lojas em todos os meios. Para isso é importante ter um bom sistema para que essa integração não gere complicações. Outro ponto importante é treinar o SAC (serviço de atendimento ao cliente) para suprir todos os problemas dos consumidores, sem distinção da origem ou do motivo do contato.

Isso faz com que o Omni-Channel funcione na prática e o seu cliente consiga ser atendido em todos os canais e transite por todas as lojas. É importante que sua loja virtual e física tenham informações iguais sobre preços e estoques. E por isso é tão importante que o seu sistema seja de qualidade.

Nossa última dica para colocar o Omni-Channel em prática na sua empresa é tratar o cliente da mesma forma em todos os meios de contato. Com isso sua marca terá uma identidade única e o seu cliente passará a ser fã da sua empresa.

Viu como é simples? 🙂

 

redes sociais para e-commerce

5 dicas sobre redes sociais para e-commerce

As redes sociais são ferramentas poderosas na divulgação da sua loja virtual. Nesse artigo vamos dar algumas dicas valiosas sobre redes sociais para e-commerce. Confira!

Dica 1: escolha das redes sociais para e-commerce

Vamos começar pelo início. Para ter sucesso nas redes sociais para e-commerce é preciso que você saiba onde seu público está.

De nada vale você estar presente em quase todas as redes sociais, mas naquela que certamente você teria mais público, você estar ausente. Aí vai a nossa primeira dica: o Facebook é uma das mídias sociais mais utilizadas no Brasil e é adequado a todos os tipos de negócios, então vale a pena você ter sua loja nele.

Dica 2: usando as redes para melhorar seu posicionamento no Google

Um outro motivo, muito importante, de estar nas redes sociais é criar autoridade para a sua página oficial da loja virtual. Mas, como assim?

Quando seus possíveis clientes ficarem sabendo da sua loja, provavelmente vão pesquisar sobre ela no Google. E se o Google não trouxer a sua página como busca, as chances do seu cliente olhar a página de um concorrente são grandes.

Um jeito de melhorar o seu posicionamento nas buscas do Google é usar as suas redes sociais. O Google interpreta que quanto mais sites indicam para a sua loja, maior autoridade ela tem.

Nas suas redes sociais é possível registrar o site oficial da sua loja virtual e com isso as ferramentas de pesquisa entendem que vale a pena exibir o seu site logo no começo das buscas. Quanto mais links do seu e-commerce você possui em outras páginas, melhor.

Mas, cuidado. Não tente trapacear, as ferramentas do Google estão cada vez mais inteligentes e quando encontram alguma trapaça, você é penalizado por isso e sua autoridade diminui consideravelmente.

Dica 3: atualize suas redes sociais

As redes sociais para e-commerce podem ser uma ferramenta incrível, desde sejam atualizadas com periodicidade.

Você criou o perfil da sua loja em várias redes sociais, mas só atualiza o Facebook? De pouco vai adiantar. Se a sua página não for movimentada, ela será como uma página fantasma.

É necessário atualizá-la mesmo que não obtenha resultados comerciais a partir dela. Essa terceira dica influencia diretamente na segunda. O fato das suas redes sociais serem atualizadas periodicamente, faz com que as indicações para o seu site oficial sejam vistas com mais veracidade, pois é uma página que é atualizada constantemente.

Consequentemente, se a sua página oficial é encontrada mais facilmente nas ferramentas de busca, mais vendas você terá.

Dica 4: cuidado ao patrocinar sua página no Facebook

Essa dica parece um pouco controversa para você? Vamos explicar.

Muitas empresas pensam que nas redes sociais para e-commerce, quanto mais curtidas você tiver, mais sucesso sua página tem. Mas, tome cuidado. Não é bem assim.

Na ânsia por likes e seguidores, muitas empresas pagam ao Facebook para patrocinar sua página. Quando você patrocina a sua página, ela aparece para mais pessoas como sugestão de página. Até aí tudo bem.

O que você, provavelmente, não sabe é sobre a fraude dos clickfarmers. Essa fraude consiste em perfis que curtem a sua página de forma totalmente aleatória. Esses perfis geram spam na sua página e essas curtidas de nada agregam o seu e-commerce.

E agora fica o questionamento: e como conseguir curtidas na sua página? Um jeito de conseguir curtidas é convidar seus clientes a conhecerem a sua página no Facebook, criar promoções que incentivem o compartilhamento da sua página e marcação de amigos.

Outra maneira leva a nossa quinta e última dica sobre redes sociais para e-commerce.

Dica 5: tenha um blog

Ter um blog que traga notícias, curiosidades e informação relevante ao seu público alvo é uma ferramenta e tanto!

Se um cliente potencial procura no Google a solução de um problema e encontra a sua página, a probabilidade de lembrar de você e procurar sobre seus produtos é grande.

A nossa última dica é relacionada a todas as outras. Com seu blog, direcionado para sua loja, você consegue melhorar seu posicionamento, tem material para atualizar suas redes sociais periodicamente, além de criar possibilidade para novas curtidas nas suas redes sociais.

É essencial que você disponibilize material exclusivo e de qualidade, se não nossa dica se torna um problema. Plágio e material que não tenha qualidade, fazem exatamente o contrário, desqualificam a sua página e certamente não é isso que você quer.

Essas são nossas dicas para redes sociais para e-commerce, esperamos que você tenha sucesso! 🙂

fim do e-SEDEX

Fim do e-SEDEX, e agora?

Os Correios anunciaram o fim do e-SEDEX a partir de 1º de janeiro de 2017 e junto com o anúncio veio a dor de cabeça aos e-commerces e aos consumidores. E agora? O que muda?

Entendendo o e-SEDEX

O e-SEDEX é um serviço oferecido pelos Correios há 16 anos. Ele atende somente as empresas de comércio eletrônico que possuem um contrato com os Correios. O e-SEDEX tem prazo parecido com o do SEDEX, mas o valor é especial, seu custo tem cerca de 20% a 30% a menos, quase equiparado com o de um envio em PAC. O que permite que os custos com frete sejam reduzidos significativamente nessa modalidade.

Praticamente todos os e-commerces utilizam o e-SEDEX como principal meio de entrega dos seus produtos, devido ao preço competitivo e a rapidez na entrega. Como nem tudo é perfeito o e-SEDEX não faz entregas em todo o Brasil e transporta somente até 15 kgs.

Caso deseja saber mais sobre os serviços ofertados pelos Correios, confira esse post.

O fim do e-SEDEX pelos Correios

No começo de novembro, anunciamos as mudanças de regras no envio de livros pelos Correios. Essas mudanças foram motivadas, segundo os Correios, pelo desequilíbrio na estrutura de preços que essas remessas causavam.

Com o e-SEDEX não é diferente. O presidente dos Correios, Guilherme Campos Júnior, em entrevista ao O Globo, apontou ao fim do e-SEDEX os mesmos motivos: “O e-SEDEX tem preço de PAC e qualidade de SEDEX. Isso é ter a liberdade de ser solteiro com o conforto de casado”.

A medida faz parte do plano de redução de custos em 2017. Em 2015, os Correios tiveram prejuízos de R$ 2 bilhões. E para 2016 estima-se que os números também estejam nessa casa.

É importante que você fique atento, no dia 1º de janeiro de 2017 já não será possível utilizar os serviços do e-SEDEX.

O fim do e-SEDEX pela ABComm

A ABComm ou Associação Brasileira de Comércio Eletrônico afirma que o fim do e-SEDEX trará aumento imediato no frete para as e-commerces e isso fará com que os preços aumentem também para o consumidor final. A ABComm ainda comentou que o ideal seria ajustar o preço do e-SEDEX e não acabar com ele.

Com o fim dessa modalidade de frete, quem mais sentirá impacto são os sites de comércio eletrônico menores pois sem uma média alta de entregas por dia, a negociação de fretes por uma transportadora privada é difícil. O preço do frete para os e-commerces menores é quase semelhante aos pagos por pessoas físicas.

E qual a alternativa?

Uma das alternativas ao fim do e-SEDEX é usar o PAC. Nesse caso, suas entregas demorarão mais para chegar, mas os custos com frete serão praticamente os mesmos, se não menores.

Se uma entrega mais demorada não é viável para o seu comércio, é preciso pensar nas transportadoras privadas. Nesse caso, você deve entrar em contato para fazer orçamentos e negociar prazos ou também pode utilizar uma intermediadora de fretes, como a CARGOBR, que por negociar demandas maiores por dia, tem prazos e custos melhores.

Não fique preocupado com o fim do e-SEDEX. A CARGOBR está pronta para ajudar!