Semirreboques – conceito e tipos

O que é comumente conhecido como “caçamba” ou “carroceria” pela maioria da população, em caminhões e carretas, na verdade chama-se, na maioria das vezes, semirreboque. O conceito é bastante simples: considerando-se que um “reboque” é um conjunto móvel que é puxado por um carro ou caminhão, porém trata-se de uma peça completamente separada, unida ao veículo de carga apenas por um pino, gancho ou haste de contato, um semirreboque é aquele que, na verdade, se acopla ao veículo de tração, formando quase que uma peça única – caso da maioria dos caminhões que conhecemos.

Os semirreboques mais comuns e conhecidos são aqueles que chamamos de “baú“, um semirreboque fechado, em geral utilizado para cargas heterogêneas e de volumes distintos, além de mercadorias mais frágeis, e também a carroceria aberta, geralmente utilizada para graneis diversos e cargas soltas que não necessitem de tanta proteção, ou possam ser fixadas por meio de amarras. Entre os caminhões baú estão veículos de mudanças, carretas de transporte de móveis, eletrodomésticos e produtos residenciais, entre outros. Nas carrocerias abertas, temos veículos para o transporte de madeira, aços, peças de concreto, entre outros. As carrocerias abertas podem ter várias profundidades e laterais distintas, reforçadas ou não, a depender do que irão transportar.

Ainda entre os caminhões baú, distingue-se o semirreboque frigorífico – muito similar às carretas comuns, porém com sistema de refrigeração e configuração interna para acomodar produtos refrigerados e congelados. Esse caminhões podem possuir uma série de sistemas de refrigeração e resfriamento auxiliares, o que inclui desde sistemas elementares com base em gelo-seco, até células auxiliares de energia e geradores a diesel para manter o sistema em funcionamento.

Outro semirreboque razoavelmente comuns são as “cegonhas” ou “cegonheiras” – aqueles caminhões que transportam veículos e possuem extensões de até 26 metros. Embora essas carrocerias possam variar em tamanho e número de veículos que comportam, são em geral maiores do que semirreboques comuns.

Tipos mais raros

Obras de infraestrutura e civis exigem, por vezes, variedades de semirreboques mais específicas – aí entram os chamados “lowboy” e “flatbed”. Todos já devem ter visto, ao menos uma vez, um caminhão de enorme extensão carregando imensos tratores, parte da coluna de concreto de uma ponte ou mesmo um gerador de hidrelétrica, ou maquinário igualmente gigantesco. Todas essas composições utilizavam semirreboques de um desses dois tipos.

Os lowboys em geral são usados para o transporte de grandes tratores, máquinas agrícolas ou de mineração. Possuem um bom número de eixos em sua extremidade traseira e dois ou três na parte dianteira, que se acopla ao caminhão. A parte central da carroceria é bastante baixa, e utilizada para a carga em si. Esse desenho permite que essas grandes máquinas possam ser embarcadas sem necessidades de içamento a grandes alturas, facilitando tanto a carga quanto a descarga.

Carroceria do tipo "lowboy" levando um caminhão de mineração.

Carroceria do tipo “lowboy” levando um caminhão de mineração.

Já as carrocerias “flatbed” são diferentes – geralmente mais extensas e com eixos ao longo de todo seu comprimento, estão aptas a carregas grande peças de concreto, grupos geradores, transformadores colossais e outras peças do segmento de infraestrutura. Não raramente, precisam estar acompanhadas de veículos de apoio nas estradas para liberar seu tráfego – avançam lentamente e fazendo ajustes vez ou outra.

Semirreboque do tipo "flatbed" carregando parte de uma perfuratriz de túneis.

Semirreboque do tipo “flatbed” carregando parte de uma perfuratriz de túneis.

admin
thiago.paim@cargobr.com
Sem Comentários

Postar Comentário