Realizando embarques sem passar por apuros

Realizando embarques sem passar por apuros

O cotidiano do setor de transportes é cercado de imprevistos, contingências e até mesmo acidentes. Para evitá-los ou reduzir sua incidência, embarcadores geralmente dispõem de pouco mais que bom senso e cuidado, tanto na hora de realizar embarques quanto na escolha das transportadoras que farão o trabalho. Contudo, algumas simples medidas podem reduzir a possibilidade de problemas e tornar sua rotina de transportes mais tranquila e menos dispendiosa.

Selecionando transportadoras

Qualquer rotina para evitar problemas no meio empresarial começa com uma boa seleção de parceiros. No setor de transportes isso não é diferente. O brasileiro ainda recorre demais a indicações, parentes, amigos e conhecidos, ou simplesmente opta pelo fornecedor mais barato.

No segmento de logística, a resposta fácil pode se mostrar desafiadora com o tempo. Verifique se seus parceiros em transportes mantêm a documentação em dia, possuem licenças e permissões para operar com sua carga e, se possível, ouça outros clientes desses fornecedores em relação à qualidade do serviço.

Preço e qualidade

Só preço é uma política perigosa. A qualidade dos serviços deve sempre ser um diferencial analisado por você. Menor desperdício, veículos mais modernos e pessoal treinado são fatores que certamente reduzem perdas no segmento de cargas e, para você, às vezes pagar um pouquinho a mais pode fazer toda a diferença.

Tudo de uma vez

Tente não realizar o processo de embarque e transporte em etapas. Alguns volume, em especial no segmento de comércio exterior, precisam de acompanhamento durante todo seu desembaraço, documentação, internação e mudança de modais. Principalmente no quesito fiscal e regulatório, evite postergar suas ações, para não ser prejudicado com a parada ou retenção de seu material. Crie processos claros de liberação da carga.

Controle e fiscalização de embarques

Grande parte dos problemas que ocorrem durante o transporte de mercadorias é motivado pela falta de controle e verificação por parte do próprio embarcador. Se você não embala propriamente sua carga, deixa de cumprir obrigações fiscais e documentais ou simplesmente não possui cuidados na hora de despachar mercadorias, não há porque culpar a transportadora – o problema precisa ser resolvido “em casa”. Deixe claro quem são as pessoas em sua empresa com responsabilidade no manejo da carga e no relacionamento com as transportadoras que realizam o serviço.

Telefone não é caro

Em caso de dúvidas ou mesmo para checar o recebimento das mercadorias despachadas, há sempre o bom e velho telefone. Principalmente nos primeiros lotes e serviços realizados por um novo fornecedor, tente monitorar e acompanhar o processo, contatando a transportadora em caso de dúvidas, e posteriormente verifique as condições e o prazo de chegada das remessas no destinatário.

banner

 

admin
thiago.paim@cargobr.com
1Comentário
  • Torquato Viglioni
    Posted at 21:13h, 13 janeiro Responder

    Prezado Ricardo,
    Quero parabenizá-lo pelas dicas passadas ao embarcador.
    Sou sócio-diretor de uma transportadora que atua no segmentos de transportes siderúrgicos. Diariamente atendemos clientes que só almejam preço. Num primeiro momento não conseguimos fechar o negócio. É questão de tempo para conseguirmos uma parceria como mesmo cliente. Isto acontece depois que o embarcador adquiriu passivos tributários, prejuízos com cargas não seguradas, ou coobrigação em multas por falta de documentação legal por parte de transportadores não confiáveis e que oferecem o preço como a isca para o fechamento do negócio.

Postar Comentário