O que esperar do transporte com drones?

Os drones já se tornaram uma tecnologia relativamente consolidada. Hoje, esses pequenos robozinhos podem ser encontrados por preços que atraem até mesmo o público final. Nos Estados Unidos, já é possível adquirir bons drones por preços inclusive abaixo dos 500 dólares, ou seja, mais barato que um iPhone em alguns casos. Equipados com câmeras de última geração e com dispositivos de controle integrados com a web, aparelhos mobile e computadores, os drones têm atraído não apenas a atenção dos curiosos por tecnologia, mas também de empresas de diversos setores, entre eles o transporte.

Não apenas a Amazon vem realizando testes com o uso de drones para a entrega de pequenos volumes, mas também várias empresas de todo o mundo, inclusive operadores logísticos renomados, como a Fedex, além de companhias aéreas. Esses robozinhos, é bem verdade, possuem ainda limitações em termos do volume transportado, mas se pensarmos direito – 90% das compras online envolvem pequenos volumes ou mercadorias leves.

Então teremos drones circulando em breve?

A despeito da evolução nos experimentos e testes, essa possibilidade é pouco provável, como inclusive dizem especialistas e as próprias empresas que realizam esses testes. Alguns dados ainda são incertos – por exemplo, qual o custo de manutenção desses equipamentos e até que ponto são confiáveis para realizar centenas ou milhares de viagens?

O mais provável, indicam especialistas, é que a entrega em drones primeiramente seja incluída como opcional. O cliente pagaria um pouco mais para receber sua carga em um drone. Isso seria possível também somente em localidades que estivessem dentro do raio de autonomia de voo dos equipamentos, o que hoje dificilmente excede alguns quilômetros. Pode parecer estranho, mas certamente a entrega opcional, ainda que cara, deverá atrair muitos entusiastas, apenas pelo prazer de ver seus produtos chegarem em um robozinho voador, com hora marcada e nas janelas e varandas de seus edifícios.

Um outro entrave ainda é o preço – embora o custo unitário dos drones tenha caído substancialmente, eles ainda são caros, especialmente levando em conta as alterações que são necessárias para que eles trafeguem com cargas. Além disso, uma empresa que anuncie o transporte em drones precisará de dezenas ou centenas dessas máquinas e passará a contar com menos leniência de seus clientes para atrasos e erros de entrega. Isso poucas empresas de transportes parecem querer assumir.

Quanto tempo mais?

É difícil dizer. Especialistas afirmam que serviços frequentes de entrega por drones não aparecerão em menos de 5 anos e que a consolidação do robozinho como alternativa de transporte virá em apenas 10 anos. Até lá, as novas gerações de drones deverão apresentar mudanças significativas para adequação ao segmento logístico: integração com sistemas de TMS e WMS, melhoria dos sistemas autônomos de geolocalização, baterias de maior duração, armações mais robustas para manuseio de cargas, e muito mais.

Certamente teremos o drone como alternativa daqui a algum tempo, porém o mais provável é que não sejam “exatamente” os drones que vemos hoje em vídeos na internet.

admin
thiago.paim@cargobr.com
2 Comentários
  • paulo afonso pin
    Posted at 23:09h, 21 dezembro Responder

    Olá, boa noite

    Estou interessado nesse modelo, favor me enviar através do Gmail o valore e a forma de pagamento, moro em vitoria-ES capital.

    Sds.

  • Ivanildo Fernandes
    Posted at 23:41h, 07 janeiro Responder

    Como atuante de logística a mais de 30 anos,vejo uma real evolução batendo as nossas portas (ou janelas).
    E sistemática a evolução,muito em breve veremos coisas que somente víamos em ficção científica, e certo que em menos de uma década já estaremos utilizando está modalidade de entrega (Que os bons drones nos ajude!!)

Postar Comentário