Copa – dádiva ou maldição para o setor logístico?

A Copa do Mundo – um dos maiores eventos do mundo – está para começar

Choramos por décadas e finalmente conseguimos: o Brasil terá sua Copa do Mundo. A onda de protestos recente e os problemas de infraestrutura e de obras ainda por terminar em várias das cidades-sede não serão suficientes, a esta altura, para reverter essa realidade. Falta um mês para o evento e todos estamos ansiosos – as empresas de logística e transportadoras talvez ainda mais ansiosas do que nós. A FIFA havia solicitado apenas oito cidades, mas Lula, ainda em seu governo, foi mais guloso: teremos 12 cidades-sede nessa Copa.

Mas como de fato o evento esportivo irá afetar o dia a dia dos transportes e, principalmente, o fluxo de encomendas e cargas no país? Muito falamos do transporte de passageiros, mas também devemos lembras que as estradas e aeroportos pelos quais passarão os turistas e público compartilham espaço com o fluxo de cargas. Alguns problemas podem e devem acometer aqueles que demandam serviços logísticos e, é claro, as transportadoras:

  • Atrasos e cancelamentos – o número de atrasos e cancelamentos em voos nacionais, que hoje em dia já segue alto, deverá piorar ainda mais durante o mês de realização da Copa. Empresas de carga expressa podem ter problemas ao embarcar mercadorias e muitas remessas para entrega no mesmo dia acabarão chegando a seus destinos com um ou dois dias de atraso;
  • Feriados – o governo já decretou feriados e pontos facultativos em dias de jogos, o que tornará menor o número de dias úteis em junho e julho. A parada deverá certamente incluir alguns funcionários na área de manipulação de cargas e desembaraço de mercadorias, o que deve piorar a situação principalmente para remessas vindas do exterior, que exigem maior tempo de desembaraço nos terminais. Algumas transportadoras já começaram a alertar clientes a respeito das possibilidade de ‘furo’ nas entregas;
  • Trânsito – ao menos para as doze capitais que sediarão jogos da Copa, o trânsito deve atingir níveis caóticos e jamais vistos anteriormente. Sem dúvida isso afetará diretamente o tráfego de cargas dentro dessas cidades, de modo que entregas e fretes de lojas, produtos e sites de e-commerce serão enormemente afetados. A CARGOBR consultou algumas das principais lojas online em seus prazos de entrega e, a princípio, eles seguem os mesmos. Entretanto, clientes devem contar com atrasos e possíveis falhas nessas entregas durante os próximos dois meses;
  • Estradas – o trânsito deve aumentar em algumas das principais estradas do país, com o público de cidades do interior comparecendo aos jogos das capitais. Ainda que para caminhões e carretas o aumento do tráfego possa não parecer motivo de preocupação, no entorno das grandes cidades a situação deverá se complicar, de modo que o tempo de movimentação entre armazéns e centros de distribuição também deverá se ver afetado.

O governo, há mais de cinco anos, vem alardeando sobre a receita a ser gerada pela Copa. Contudo, poucos parecem ter contabilizado prejuízos decorrentes de atrasos em entregas e problemas na área logística, além de prováveis reclamações e processos impetrados por consumidores e clientes da área de transportes. De qualquer modo, é tempo de se precaver: como transportadora, informando e alertando clientes a respeito dos possíveis atrasos e falhas, e como cliente, enviando ou solicitando remessas com boa antecipação.

admin
thiago.paim@cargobr.com
2 Comentários
  • Walddemar
    Posted at 21:21h, 19 maio Responder

    É evidente que qualquer evento dessa magnitude geram transtornos. Período de Natal, Ano Novo, Carnaval, etc.., sempre trazem alguns transtorno sim. Será que a solução seria a não ocorrência destes eventos em que uns ganham mais que os outros? Aposto que os donos de hotéis, bares, restaurantes,aeroportos, empresas de aviação, e tantas outras não estão achado ruim. Este é o País que vivemos, caso contrario é ir morar na Suíça,País pequeno e de desenvolvimento milenar. Que bom que temos alguns transtornos, é porque o nosso País está pujante, isto é consequência da falta de investimentos a décadas e décadas atrás, como não dá para fazer tudo agora por isto está acontecendo e irá acontecer.Antes não tinha engarrafamentos porque não tinha carros e caminhões, os aeroportos não tinham problemas porque só engravatados viajavam,não tinha congestionamento em carga e descarga porque não tinha o que transportar, e dai por dianate. Quem sabe, com os investimentos que estão sendo feitos serão amenizados problemas futuros.

  • Marcilio Cunha
    Posted at 19:17h, 25 maio Responder

    Estou apreensivo com o que vem por aí.O ano só começou depois do Carnaval em março.As empresas na área de serviços, como hotéis,restaurantes e transportes é que estão esperançosas de bons negócios com a realização da Copa.A industria está devagar quase parando.Os investimentos em obras pelo governo estão sendo volumosos, mas a maioria sem estar nos prazos de conclusão.Acredito com o que se vai arrecadar financeiramente em negócios com os turistas, ficará a desejar.Teremos no final, um resultado negativo na balança.Muitos problemas ficarão acumulados sem solução.

Postar Comentário