Por que saber o mínimo de logística?

Essa é uma bela pergunta para qualquer empresário. Você vende seus produtos, cota o frete (quem sabe usando a ferramenta da CargoBR) e despacha para o cliente. E fim, certo? Na verdade, muitas vezes esse final não é tão feliz assim. A culpa, de quem é, não importa. Seu cliente acaba não recebendo a mercadoria, ou recebendo-a com atrasos, e quem paga o pato é você. Talvez se você entendesse um pouquinho mais sobre a logística de seus produtos, problemas desse tipo poderiam ser evitados.

Entender os processos que ocorrem entre o momento da venda e o recebimento do produto pelo cliente é algo de essencial para seu negócio. Às vezes, um problema detectado com horas de antecedência pode ser facilmente resolvido com medidas como o reenvio, um contato direto junto ao cliente, ou uma solicitação de retorno junto à transportadora. Compreender o processo a fundo, ainda que você o esteja terceirizando, é uma prática que pode evitar problemas como:

  • Atrasos no recebimento por parte do cliente.
  • Falhas e erros na documentação.
  • Problemas de embarque e desembarque, ou dificuldades que possam estragar seu planejamento.
  • Posições de estoque e inventários.
  • Rotas de maior dificuldade ou com problemas.
  • Desperdícios e danos a produtos e remessas.
  • Cobranças de extras ou indevidas.
  • Cobranças de impostos por atraso no recolhimento ou erro no preenchimento de guias e documentos.

Conhecer o processo e a logística não apenas pode tornar seu negócio mais eficiente, mas também pode reduzir seus custos. Erros, desperdícios, atrasos e problemas na entrega, muitas vezes, são fatores que tornam a margem de lucro em determinado produto praticamente inexistente.

Que informações procurar?

Não é preciso que você se torne um “expert” em logística, mas é necessário que você esteja sempre em linha com informações da transportadora e clientes, e alguns conceitos e procedimentos devem ser de seu total conhecimento, entre eles:

  • Forma e método de acomodação da carga fracionada e volumes em caminhões e meios de transporte.
  • Manuseio de produtos em armazéns e terminais.
  • Embalo e detalhes técnicos, como o coeficiente de empilhamento.
  • Cubagem e cálculos de custos e remuneração a transportadoras.
  • Documentação e emissão de guias.
  • Detalhes contábeis referentes à estocagem e movimentação de produtos.

Parece coisa demais, mas tudo em prol da saúde de seu negócio. Seu cliente agradece, a transportadora agradece, mas principalmente: seu bolso agradece.

Conheça o estivador

Embora força física seja algo que ajuda, sem dúvida, o estivador é geralmente tomado como um profissional bruto e sem qualquer preparo técnico. Esses funcionários de portos e armazéns em terminais são observados ainda hoje com uma visão estereotipada. O avanço das tecnologias de transferência de mercadorias, embarque e desembarque em portos e terminais fez com que os profissionais de estiva, ao contrário do que ocorria no passado, se tornassem cada vez mais técnicos do que meros transportadores de pesos e volumes. O estivador é hoje um profissional preparado, que lida com os mais diversos equipamentos e cargas e, para tanto, acumula grande preparo técnico e experiência com processos logísticos.

Há uma certa confusão: o estivador, ao contrário de outros operários em portos, trabalha a bordo das embarcações. Esse profissional nunca trabalha em terra e, no convés de embarcações, é o responsável por apoiar e guiar a movimentação de cargas, efetuar sinalizações para operadores de gruas e guindastes, verificar a acomodação de cargas, contêineres e outras estruturas e, em alguns casos, emitir relatórios relacionados à segurança e disposição da carga.

Curiosidade: a palavra “estivador” tem origem nos portos portugueses e espanhóis do início da Idade Moderna. O estivador era, pelo significado derivado do latim, o homem responsável por “carregar e estocar coisas”. Sem dúvida, tudo a ver com o que é a profissão em si.

Ainda insalubre

A atividade do estivador foi se tornando uma rotina mais técnica ao longo dos tempos. Muito do trabalho que esses profissionais realizavam, no passado, de forma braçal, encontra-se hoje automatizado. Contudo, o trabalho ainda é considerado perigoso e insalubre. Basicamente, a segurança do estivador depende das condições de segurança de portos, terminais, embarcações e equipamentos – acidentes ocorrem, embora sejam cada vez menos frequentes. Por essa razão, profissionais dessa natureza possuem um esquema diferente de aposentadoria e, ao contrário do que muitos possam supor, recebem bons salários na maioria dos casos.

A atividade é amplamente descrita e regulamentada, por exemplo, pela NR 29 do Ministério do Trabalho e Emprego, que regulamenta a segurança e saúde no trabalho portuário.

Conheça o estoquista

Alguns profissionais na área logística não costumam ser lembrados ou valorizados pelas pessoas em geral, mas exercem um papel vital dentro do segmento de transportes e fretes – sem alguns deles, sua mercadoria simplesmente se perderia na imensidão de embarques e desembarques, ou ficaria para todo o sempre dentro de um armazém ou centro de distribuição, esquecida por gerações (algo como a “Arca da Aliança”, do Indiana Jones).

Há produtos suficientes?

Se o estoquista não existisse, dificilmente seria possível garantir que estoques e inventários de empresas estivessem sempre em linha com a demanda, níveis de saída e exigências de pronta-entrega. O estoquista monitora e decide quando um produto precisa de uma nova remessa ou pedido, e quando as novas compras devem ser suspensas (quando o volume estocado é excessivo). O estoquista também é responsável pela organização dos inventários, tornando depósitos e armazéns acessíveis, seguros e sempre prontos a atender a novos pedidos.

Menos gastos

Todos reclamam que estoques custam caro – e estão certos. Mas ninguém sabe disso melhor que o estoquista. Esses profissionais têm como função encontrar maneiras de manter e organizar um estoque de forma mais barata. Evitar desperdícios e deterioração de produtos, organizando filas, entradas e saídas, e também acompanhar os gastos por departamento ou divisão de uma empresa em termos de armazenamento.

Barreira de qualidade

Mesmo em empresas que contam com departamentos de qualidade, o estoquista desempenha papel essencial nesse campo. O estoquista é responsável pela recepção de todas as mercadorias que chegam ao depósito, inventário ou armazém que gerencia, checando a integridade dos mesmos, sua conformidade do ponto de vista legal, fiscal e burocrático, e evitando que produtos errados ou danificados ingressem no estoque. Na saída de mercadorias, é responsável por checar também a integridade, o embalo e a documentação de cada produto.

Segurança

O estoquista também responde pela segurança do estoque no qual trabalha, tanto sob o ponto de vista de roubos, furtos e extravios, como também no sentido de seguir e observar normas de segurança e saúde no trabalho, que evitem acidentes e problemas, para funcionários, clientes e transportadoras que utilizem um armazém ou depósito.

Black Friday, Natal e suas entregas

Se você trabalha com frete fracionado e não possui um fornecedor fixo, talvez seja a hora de começar a se preocupar e fechar contratos e fretes antes que atrasos comecem a ocorrer. A razão é muito simples: com a chegada do Black Friday, agora no final de novembro, aliado às compras de Natal, já começando esta semana com a primeira parcela do 13° salário, tem início um dos períodos mais movimentados no segmento de transportes de logística. Isso pode significar que atrasos e problemas de entrega venham a se tornar uma constante, a menos que você assegure suas opções de transporte desde já.

Todos que lidam com logística sabem que a partir do final de novembro – época recentemente marcada pela Black Friday – as coisas começam a esquentar. Preços de fretes sobem e prazos se alongam e a sorte fica por conta daqueles que possuem mais trunfos na manga, ou seja, mais ofertas de transportadoras e uma variedade maior de fornecedores. O frete online, aliado a contratos de longo prazo mais flexíveis também oferecidos por transportadoras, principalmente aquelas especializadas no segmento de varejo, digital ou físico, resolveram parte do problema – mas ele ainda está longe de acabar.

Vendas menores, problemas iguais

Tudo indica, por conta da crise, que as vendas de final de ano em 2015 não encherão os olhos do empresário. A Black Friday, nesse sentido, pode ser um importante divisor de águas, demonstrando se as vendas fracas se estenderão até o final do ano ou se os consumidores apenas adiaram suas compras de Natal. O mais provável, infelizmente, é que as vendas deixem mesmo a desejar.

Contudo, no segmento logístico, outros problemas, como a recente greve de caminhoneiros, prometem deixar os problemas de entregas e remessas de final de ano pelo menos iguais aos que são enfrentados todos os anos. Com menos entregas, talvez o frete não subisse tanto, mas a alta dos combustíveis, que acumulou praticamente 40% este ano, somada a outros fatores de alta e também a problemas setoriais devem garantir um alto custo logístico nas Festas, como é tradicional, aliás.

As opções? Negociação por antecipação é uma delas, usando de sua carteira de fornecedores ou de sistemas de cotação online, como o da CargoBR. Outra opção interessante é a formação de “pools” de empresas para contratação de fretes em atacado junto a transportadoras – afinal de contas, elas também estão com menor movimentação, e a despeito da alta nos custos, os lucros seguem menores, já que despesas subiram ainda mais ao longo do ano.

Após tudo isso – a expectativa de um ano fraco em 2016, com custos logísticos altos e desafios de entregas e concorrência ainda maior. O presente de Natal? Talvez se você correr agora atrás do prejuízo, será um ano de 2016 mais tranquilo, pelo menos no que se refere à sua carga e entregas.

Embalagens e armazenamento de produtos frágeis

Mesmo quando você não possui um fluxo de mercadorias constante e não possui armazéns ou centros logísticos, é preciso muitas vezes armazenar e estocar produtos até que o transporte dos mesmos seja viabilizado. Com um agravante: às vezes esses produtos são frágeis. O armazenamento desses itens exige cuidados muito maiores e, embora às vezes a transportadora leve a culpa, o fato é que tais produtos acabam saindo do remetente – ou seja, você – com danos e problemas.

Mas como garantir o armazenamento e integridade desses produtos?

Armazenamento próprio

Mesmo que você disponha de pouco espaço e não possua grandes áreas de estocagem em sua empresa, produtos frágeis precisam ser separados dos demais. Sem uma distinção, esses produtos podem ser movidos, empilhados ou posicionados de forma que o conteúdo das embalagens sofra danos antes mesmo de deixar o local. O ideal é que tais itens estejam sempre distantes de outros produtos que não sejam tão suscetíveis a danos e fora do caminho ou passagem de funcionários.

Embalagens corretas

Produtos frágeis precisam estar embalados de forma correta. Sempre com forros e proteções internas que evitem choques e previnam danos decorrentes de quedas e movimentações, e também do tamanho correto para acomodar seu conteúdo.

Avisos e sinalização

Há convenções para alertar quem faz o manuseio e até mesmo pessoas que trabalhem perto desses produtos a respeito da fragilidade desses produtos. O armazenamento é muito mais eficaz quando é possível identificar a fragilidade e natureza do conteúdo de cada embalagem, por isso use a simbologia e identificações corretas, conforme o nível de fragilidade do produto, colocando setas nas embalagens para orientar o correto posicionamento, avisos para não molhar ou empilhar outras embalagens, etc.

Transportadora ou correio

Os Correios possuem uma enorme gama de serviços e têm, sem dúvida, cuidados com o armazenamento e manuseio de produtos que transportam. Contudo, no caso de produtos frágeis, as condições de transporte nem sempre são as ideais. Prefira utilizar transportadoras especializadas, conforme a natureza e nível de fragilidade do produto. A CargoBR possui, em seu banco de dados, transportadoras e fornecedores que atendem a quase todas as necessidades de transporte, com tradição e expertise em diversos mercados.

Soluções de armazenamento

Caso o volume e frequência de remessas frágeis se tornem maiores, é sempre indicado o uso de empresas de logística que ofereçam condições de armazenamento adequadas para os produtos com os quais você esteja lidando.