controle de estoque

Controle de estoque: tudo o que você precisa saber.

Fazer o controle de estoque de uma pequena empresa é certamente um grande desafio. Se faltar produto, você deixa de vender. Se sobrar, você tem dinheiro parado no seu estoque. O controle de estoque deve ser feito baseado na análise de demanda do mercado, é necessário entender as preferências dos clientes.

As empresas que querem um controle de estoque mais apurado, na maioria dos casos, tem um profissional voltado para essa atividade, o estoquista. O estoquista é responsável pelo inventário (a contagem física do estoque), em casos de estoques grandes opta-se pela contagem de somente alguns itens por dia que podem ser aleatórios ou seguirem uma determinada lista.

A partir da contagem do inventário é possível:

  • Otimizar as vendas: os vendedores ficam atualizados sobre a quantidade de produtos disponíveis e não corre-se o risco de vendas de produtos que não há entrega imediata com essa promessa.
  • Reduzir as perdas e evitar desperdícios: com o controle de estoque você não corre o risco de comprar produtos que há o suficiente em seu estoque e deixar faltar aqueles que estão acabando no estoque, além de possibilitar a identificação de desvios de mercadoria, se houver diferença no número do inventário e do controle contábil é mais fácil verificar possíveis extravios de mercadoria.
  • Evitar multas: se o FISCO detectar diferenças entre seu estoque real e o estoque declarado é possível que sua empresa receba multas altas.

Se você deseja saber mais sobre o trabalho do estoquista, confira aqui.

Quanto de estoque deve-se manter?

Para saber quanto de estoque você precisa manter é necessário analisar o tamanho do seu negócio, qual o tamanho para estocagem que você tem? Se seu espaço for pequeno, é possível que você compre seu estoque e pague uma taxa para seu fornecedor guardar ele para você e entregar a mercadoria conforme a sua necessidade.

É preciso pensar também no tipo de negócio que você tem, quais produtos devem ter a pronta entrega e quais produtos vendem mais em determinado período, por exemplo: se você tem uma loja de roupas e está iniciando o verão, de pouco vale fazer um estoque grande para o inverno, é necessário programar seu estoque para cada estação específica do ano.

Se seu negócio vende produtos perecíveis, como por exemplo, um supermercado, é necessário fazer as aquisições de mercadoria para o estoque, conforme a previsão de venda, se não se corre o risco de perder dinheiro, produtos vencidos geram prejuízos.

Se você deseja saber um pouco mais sobre estoques e seus tipos, não deixe de conferir esse post.

O que é necessário se perguntar:

É possível prever a demanda? Se for possível prever a demanda, o controle de estoque deve se basear pela quantidade necessária do produto para o período.

O preço é estável? Se há variação de preços e você tem um giro grande, vale a pena comprar quando o preço estiver menor.

Há desconto se comprar em maior quantidade? Se houver descontos significativos e você tiver capital que não fará falta no fluxo de caixa, aproveite o desconto!

Outro ponto essencial para um melhor controle de estoque é a contabilidade de custos que leva em conta o custo de aquisição e momento de saída da mercadoria, essas informações influenciam não apenas no controle de estoque, mas também nos lucros que a empresa obtém com a venda dos produtos.

Quais são os métodos de contabilidade de custos?

Os métodos mais conhecidos para a contabilidade de custos no controle de estoque são: PEPS (primeiro a entrar, primeiro a sair), UEPS (último a entrar, primeiro a sair) e Custo Médio Ponderado, conheça cada um deles:

  • PEPS (primeiro a entrar, primeiro a sair):

O método de controle de estoque PEPS é originário da sigla FIFO, em inglês First In, First Out. Como o próprio nome sugere esse método vai dando baixa no estoque conforme o estoque mais antigo, a primeira unidade que foi comprada no estoque vai ser entregue ao finalizar uma venda.

No PEPS as saídas de produtos são feitas com base nos valores mais antigos, fazendo existir uma flutuação dos preços sobre os resultados, o que faz alguns contadores serem contra esse método.

As vantagens do controle de estoque por esse método são:

Os produtos vendidos são retirados do estoque de forma lógica e sistemática, o que facilita o controle de estoque.

O movimento do estoque é de forma organizada e contínua, o que é excelente principalmente em casos de produtos perecíveis, que se decompõe ou deteriora.

  • UEPS (último a entrar, primeiro a sair)

Esse método de controle de estoque é o contrário do PEPS, o último produto a entrar no estoque é o primeiro a sair quando vendido, o UEPS é um método polêmico, muito discutido por especialistas, pois o estoque final (últimos produtos que serão entregues) consiste nos produtos com custo menor.

O UEPS não é permitido no Brasil devido aos cálculos fiscais, ao ter alguma venda o valor debitado do custo de estoque é o valor do produto mais recente que entrou no estoque e não o custo de todos os produtos utilizados, reduzindo assim o lucro líquido da empresa e conseqüentemente o valor do imposto e da contribuição fiscal sobre o lucro.

Apesar de não ser permitido no Brasil, o UEPS é um método de controle de estoque muito utilizado nos Estados Unidos e Alemanha. De acordo com o UEPS, o estoque é avaliado no nível de preço da época em que o UEPS foi introduzido na empresa.

  • Custo Médio Ponderado

O custo médio ponderado, também é conhecido como preço médio e é representado, como sugere o nome, por uma média de custos de aquisição, por exemplo: em novembro você comprou 100 produtos por R$ 200,00 ao todo que ainda estão em estoque e em dezembro 100 produtos, também em estoque, por R$ 240,00, no total você comprou 200 produtos por R$ 440,00, o custo médio do seu produto é de R$ 440,00 dividido por 200 produtos: R$ 2,20.

O custo médio divide-se em duas categorias: ponderado fixo e ponderado móvel.

  • Custo Médio Ponderado Móvel

Se sua empresa opta pelo controle de estoque por inventário com verificação freqüente, é necessário utilizar o custo médio ponderado móvel, pois os estoques são atualizados constantemente na contabilidade.

O custo médio ponderável móvel considera o preço de custo e os valores de cada unidade variam com a compra ou a produção de outros produtos de preço diferente. Quando a produção ou aquisição é maior, o valor da mercadoria também é, quando é menor, o valor também diminui.

  • Custo Médio Ponderado Fixo

Esse método de controle de estoque deve ser utilizado quando sua empresa faz controle de inventário em um único momento, como por exemplo, no final do mês, mas é calculado da mesma forma e os fatores não se diferenciam a não ser a freqüência da contagem do estoque.

Esperamos ter ajudado a melhorar o controle de estoque da sua empresa!

Mudança de regras no envio de livros pelos Correios.

Você já comprou livros online? Ou enviou um livro para alguém? A partir de hoje (1º de setembro) comprar livros ou enviá-los pelos Correios ficará mais caro, confira as mudanças.

O que muda?

Os Correios proibiram a postagem de livros como mala direta, modalidade mais barata para o envio de livros, encomendas de até um kg saiam, por exemplo, por R$ 6,31, independente da distância do envio. Em contra partida, agora é permitido o uso do registro módico, que possibilita o rastreamento das encomendas cobrando 50% do valor do registro comum, que é R$ 4,30.

Depois da mala direta a opção mais barata de envio é o impresso (que também não tem diferença de valor independente da distância), porém os Correios restringiram o volume permitido para envio, passando dos 20kgs à 500g. Se você precisar enviar um livro que tenha mais de 500g precisará optar pelo PAC ou pelo SEDEX e é nessa modalidade que o serviço quase triplica de valor.

Não entendeu? Vamos à prática.

Com as regras antigas dos Correios você enviaria um livro de até 499g, para qualquer lugar do Brasil por uma taxa de R$ 3,67 de mala direta e se optar pelo registro pagaria mais R$ 4,30, totalizando R$ 7,97.

Agora, para envios até 499g, você pagará R$ 5,40 de taxa de impresso e se optar pelo registro módico (aquele que tem 50% do valor do registro comum) pagará R$ 2,15, totalizando R$ 7,55.

Para livros de até 499g ficou mais barato o envio, mas normalmente ninguém compra só um livro pela internet, certo? Vamos simular agora o envio com até 999g que são três livros de 328 páginas:

Com as regras antigas: R$ 6,31 de mala direta e se optar pelo registro R$ 4,30, totalizando R$ 10,61. Com as novas regras você precisará enviar ou por PAC ou por SEDEX, se o envio por de São Paulo ao Rio de Janeiro por PAC pagará R$ 18,30 mais R$ 2,15 se optar pelo registro módico, totalizando R$ 20,45, e por SEDEX a taxa é de R$ 28,10 e se optar pelo registro módico, que tem o mesmo preço independente de ser PAC ou SEDEX, totalizará R$ 30,25. O preço praticamente triplicou.

O que dizem os Correios?

Os Correios alegam que a menção da palavra livros, nos contratos de mala direta se referia a periódicos, o termo será excluído dos contratos futuros para que não haja interpretações equivocadas.

Afirmam ainda, que o serviço era utilizado para envio de remessa de livros, o que causava um desequilíbrio na estrutura de preços e na cobertura dos custos.

Ficou com alguma dúvida? Conte com a CARGOBR.

Uso de motoboys, quando vale a pena?

A entrega de um produto é um passo muito importante na venda, seu cliente fica satisfeito quando a mercadoria é entregue no prazo conforme prometido, e quando o cliente fica satisfeito a possibilidade dele comprar de novo é grande. É isso que você quer, certo?

Na ânsia de buscar métodos melhores e mais eficazes para a entrega de mercadorias, surgem soluções que prometem um frete expresso e ágil, utilizando transportes alternativos: as motocicletas.

O que não pode ser transportado por motoboys?

É obrigatório que os motoboys tenham um baú com capacidade e medidas determinadas por lei, por isso não é possível transportar nada além dessa dimensão, também não é possível amarrar ou fixar qualquer objeto ou caixa na moto ou no baú. Caso sua carga tenha dimensão ou peso superior à capacidade, você deve solicitar outro tipo de veículo, como por exemplo, um caminhão.

É proibido também o transporte de dinheiro e de animais em motocicletas. Os animais só poderão ser transportados se utilizarem de equipamento de segurança, uma espécie de “aquário” que permite a respiração dos animais.

Vantagens da entrega por motoboys

É fato que as motocicletas se locomovem mais rápido que os demais veículos, não ficam em congestionamentos e por isso conseguem entregar produtos rapidamente. As motos também têm um custo de manutenção menor, exigem menos combustível e tem taxas e impostos menores.

E as desvantagens?

Uma das desvantagens é na contratação de um motoboy autônomo, existe uma lei no código civil que obriga a empresa contratante à reparação de danos em casos de acidente. A maioria das empresas que utiliza desses serviços passou a terceirizar o serviço de entrega com motoboys, assim paga um pouco mais caro, mas se isenta de qualquer risco.

Caso você opte por contratar um motoboy é necessário que leve em conta a possibilidade de doença ou de acidente, tenha uma alternativa para seus fretes quando seu motoboy não puder cumprir o expediente.

Depois de conhecer os prós e contras, cabe a você decidir se acha adequado o uso de motoboys pela sua empresa. Independente da sua escolha, não deixe de conferir algumas dicas de como lidar com produtos pequenos.

Frete grátis existe?

Uma das estratégias de venda de lojas virtuais é o frete grátis, e de fato essa frase atrai consumidores e curiosos, trazendo retorno para o e-commerce. O problema é que não existe serviço sem custo, existem alguns artifícios para aumentar o número de acessos e de compras nos sites e o frete grátis é um deles.

Como surgiu o frete grátis?

A política de frete grátis surgiu no começo do e-commerce nos Estados Unidos, lá em meados de 90. Para estimular as compras pela internet, que ainda não eram populares, criaram uma estratégia de frete gratuito, onde quem optasse pela compra online receberia sua mercadoria em casa e sem custos adicionais.

Quando as lojas virtuais vieram para o Brasil, perto dos anos 2000, o modelo de negócios se baseou na experiência americana e também passou a oferecer o frete grátis, porém o custo com transporte aqui é muito maior do que nos EUA, aliado com um planejamento logístico falho fez com que muitas lojas virtuais tivessem uma margem pequena de lucro.

Por fim, quem paga o frete que é grátis?

Muitas vezes você mesmo. Algumas empresas embutem o valor do frete na nota, fazendo uma média de custo de logística com determinado artigo e aumentando o valor final do produto.

Algumas vezes a empresa arca parcialmente com os valores, mas normalmente essas empresas têm parceria com transportadoras que fazem esse serviço com valor abaixo de mercado, com qualidade abaixo e entrega fora do prazo estipulado.

E o que as empresas tem feito?

O frete grátis vem caindo a cada ano, as empresas têm repassado esses custos aos clientes. Vem surgindo uma nova política de frete, onde é ofertado diversas opções de entrega de uma mesma mercadoria. Se você precisa do produto com urgência, normalmente poderá optar pela entrega no mesmo dia, se tiver disposto a pagar um pouco mais por isso, se não tiver pressa poderá optar pelo valor de frete mais em conta.

Mas lembre-se: nenhuma transportadora está entregando sua mercadoria sem custos, isso não existe. Todo o frete exige uma cobrança, o que muda é por qual caminho a empresa que você comprou cobrará.

Pequenas empresas: logística.

Encontrar um serviço de transporte que satisfaça o cliente sem que os custos fiquem elevados é um grande desafio para empresas que atuam com transportes de carga. A logística está aí para ajudar: entender de logística é ir atrás de soluções que entreguem o produto ao seu destino final com um tempo reduzido, o custo menor e a qualidade garantida, um sonho para todas as empresas, certo? Por isso os especialistas em logística estudam sobre as rotas da carga, armazenamento (depósito), meios de transporte, entre diversos outros fatores.

E o que a logística impacta na satisfação do transporte, afinal?

A contratação de um frete não pode ser baseada somente na escolha do serviço que ofereça o menor custo, é preciso que o prazo de entrega seja cumprido, que a mercadoria seja entregue intacta e que os custos sejam mostrados de forma transparente, sem custos adicionais no meio do processo. É realmente incômodo quando a sua mercadoria atrasa, é entregue quebrada, ou você descobre que vai ter que pagar além do orçamento, não acha?

Como procurar a transportadora ideal?

Bem, vamos te ajudar:

  • Faça cotação com pelo menos três transportadoras para analisar prazos, preços e conseguir fazer um comparativo, existem transportadoras que atuam de forma mais específica em determinada região, o que pode acarretar em um custo menor.
  • Busque transportadoras que você saiba que realmente trabalham com qualidade, não se esqueça de avaliar as questões de seguro da carga.
  • Caso sua mercadoria seja perigosa, volumosa, muito frágil, etc., não se esqueça de verificar taxas excedentes que poderão ser cobradas. Passar o número máximo de informações sobre a carga fará seu orçamento ser o mais próximo possível do real valor que será cobrado.
  • Verifique se existe o serviço de rastreamento de carga, pois assim você conseguirá acompanhar todo o processo da entrega, assim como as etapas que a mercadoria está passando.
  • Busque tabelas de preços e prazos que você realmente entenda, caso você sinta alguma dificuldade em compreender a tabela não deixe de questionar e pedir orientações à transportadora.

Você sabia que a CARGOBR possui um sistema que otimiza essa busca? Oferecemos cotações instantâneas de diversas transportadoras de qualidade, buscando sempre o melhor frete pra sua carga, tornando assim a busca pelo frete ideal muito mais simples e rápida.