como calcular o frete

Como calcular o frete?

Uma dúvida muito comum quando o assunto é logística, é em relação a qual a melhor maneira de enviar um produto para o cliente.

Um fator decisivo quando se fala em entrega de mercadoria é o preço e, geralmente, existem muitas dúvidas em como calcular o frete.

Notícias relacionadas informam que é comum o cliente desistir do negócio quando verifica o valor do frete, inclusive, esse é um dos principais motivos do abandono do pedido no e-commerce.

Embora o meio mais comum de frete seja o rodoviário, por meio de uma transportadora, os Correios também realizam serviços de transporte de mercadorias.

No tocante das transportadoras, a verdade é que não existe uma fórmula definida para esse cálculo, porque as mesmas utilizam variáveis para chegar ao valor final do frete.

Mas, é possível fazer uma estimativa com base em alguns fatores que vamos mostrar nesse post.

Quer saber como calcular o frete? Continue lendo!

Como calcular o frete dos Correios?

Como citamos, os Correios também realizam o serviço de transporte de mercadoria.

Para fazer o cálculo do frete cobrado pelos Correios, a entidade disponibiliza em seu site uma ferramenta para chegar a esses valores.

Basta acessar essa página, informar os dados solicitados para se chegar a uma estimativa muito próxima do valor, o que já será bem útil para se ter uma base de comparação em relação ao preço de uma transportadora, por exemplo.

Como calcular o frete feito pelas transportadoras?

Existe uma tabela de frete emitida pela ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres para ser seguida por parte das transportadoras, que leva em conta o tipo de carga e a distância percorrida.

No entanto, para se tornarem mais competitivas, as transportadoras primeiramente analisam o tipo de carga para esse cálculo:

Carga fechada

Carga fechada é aquela em que a mercadoria ocupa todo o caminhão ou maior parte dele e vai direto a um único destinatário.

Nesse tipo de carga fica mais fácil conseguir bons preços, mas, de qualquer forma, serão levados em consideração para calcular o frete e chegar ao valor final:

  • O tamanho do veículo que será utilizado para o frete;
  • A distância percorrida para a entrega;
  • A classificação da carga como, por exemplo, se ela é valiosa, perigosa, perecível, etc.

Carga Fracionada

No processo de carga fracionada um mesmo caminhão é utilizado por diversos clientes para levar várias encomendas menores aos seus destinos diferentes.

Chegar no valor do frete de uma carga fracionada é um pouco mais complexo, porque deve-se levar em conta:

  • O peso da mercadoria;
  • O espaço que a embalagem ocupará no caminhão;
  • A distância percorrida.

Embora sejam distintas, tanto a carga fechada como a fracionada tem uma base inicial, mas de qualquer forma, para calcular o frete em ambas são usadas outras variáveis.

Quais variáveis são consideradas para calcular o frete?

Não se engane, calcular o frete não é uma tarefa fácil, porque para chegar ao valor final é preciso cruzar dados relacionados ao tipo de serviço de transporte contratado, ao tipo de frete e às características da carga.

Vale lembrar que cada transportadora adota seu sistema de variáveis para calcular o frete, bem como os métodos aplicados.

Para que se tenha uma base de como calcular o frete, abaixo elencamos as variáveis mais comuns e usadas para determinar o preço de uma carga e você vai perceber que elas têm muito a ver com o tipo de frete usado.

São elas:

1 – Frete peso

Imagine uma carga repleta de pacotes de algodão.

Por certo, a carga completa o caminhão, mas tem pouco peso.

Por outro lado, uma barra de ferro, certamente, ocupará menos espaço que o algodão, mas encherá o caminhão mais rápido devido ao seu peso.

Nesse caso, o valor do frete é definido pelo maior valor entre o peso bruto e o peso cubado.

2 – Frete Valor

No caso de frete valor, o cálculo se baseia no valor mencionado na nota fiscal do produto.

Quanto maior o valor da mercadoria mais valiosa a carga é, por isso, em alguns casos, tem escolta, o que precisa ser levado em conta na hora de calcular o frete.

3 – Mudança de transporte

Na maior parte dos fretes contratados pela transportadora, são utilizadas as rodovias para chegar ao destino final.

Mas, existem exceções e, em alguns casos, há necessidade de fazer travessia somente por meio de balsas e esse fato também acrescenta na hora de calcular o frete.

4 – Classificação da carga

Para transportar uma carga delicada como flores ou mercadoria frágil como cristais, há necessidade de embalagens especiais e reforçadas.

Produtos perecíveis também exigem toda uma estrutura de refrigeração e manuseio por parte da transportadora e esse também é um fator determinante na hora de calcular o preço do frete.

5 – Condições para a entrega

As condições, quer seja de trafegabilidade, de segurança ou de prazo, também influem na hora de calcular o frete.

Como conseguir os melhores preços para o seu frete?

Saber aproveitar o tempo e onde estão as melhores opções de preços de fretes é uma necessidade de qualquer empresa.

A CARGOBR disponibiliza uma plataforma gratuita e online com cotações em tempo real das maiores transportadoras do país e para todos os tipos de cargas.

Entre no site e veja como é fácil economizar e lucrar mais utilizando as melhores transportadoras do país com segurança, qualidade e bom preço!

cubagem

Cubagem sem mistério

Todo segmento possui um vocabulário ou jargão próprio, não seria diferente no setor logístico.

Transportadoras, empresas de carga, operadores logísticos e até clientes desses grupos utilizam linguagem própria na hora de transportar.

Um termo utilizado bastante comum, mas que ainda gera dúvidas, é a cubagem.

O termo se refere a um cálculo matemático que visa a otimização do uso da capacidade de carga de carretas e caminhões.

Se você quer saber mais sobre o assunto, continue lendo esse post!

O que é cubagem?

Esse termo é utilizado dentro da área de logística para indicar a relação entre volume e peso.

Ela tem como principal função a verificação do peso da carga em função do volume para acomodação na caçamba ou baú do caminhão.

O objetivo delea é evitar que se carregue peso demais em um volume muito pequeno, deixando de aproveitar espaço no caminhão, ou que se ocupe um volume enorme para uma mercadoria relativamente leve, desperdiçando capacidade de carga do veículo em tonelagem.

Ou seja, a cubagem garante o melhor aproveitamento de espaço levando em conta o peso da carga. Isso acaba tendo como consequência preços mais justos para o contratante do frete.

Como a cubagem funciona?

A cubagem é uma variável importante para definir os custos de transporte.

Muitas vezes cargas com pesos completamente diferentes acabam tendo o mesmo custo de frete. Isso acontece porque a quantidade de peso levada não é um grande problema dentro dos caminhões – o mesmo não ocorre para o espaço.

Podemos entender melhor por meio de um exemplo simples: um caminhão, com capacidade máxima 20 toneladas e com a caçamba de 24 metros cúbicos, deve levar 20 toneladas de chumbo para o seu destino. Apesar do peso desse material ser grande, o espaço ocupado seria em torno de 1,8 metros cúbicos.

Agora vamos pensar que esse mesmo caminhão deve levar 20 toneladas de algodão. O peso seria possível, mas o volume ocupado por esse material seria em torno de 86 metros cúbicos, tornando impossível o transporte no caminhão.

Caso uma transportadora tivesse um contrato para transportar 20 toneladas de chumbo e 20 toneladas de algodão, o mais correto, de acordo com a cubagem, seria fazer viagens com carga mista, ou seja, parte chumbo e parte algodão.

Dessa forma seria possível ocupar todo o volume permitido das carrocerias em praticamente todas as viagens e evitaria algum transporte com sobrepeso.

O recomendado, portanto, é que o caminhão atinja o seu limite de peso sem ultrapassar a capacidade de volume.

Para que isso foi criado o fator cubagem pela Agência Nacional de Transportes Terrestres.

O que é o fator de cubagem?

Antes de chegar à fórmula matemática para o cálculo da cubagem em cargas, é necessário entender um dos fatores dessa equação – o chamado fator de cubagem.

Esse fator é uma constante, ou seja, sempre tem o mesmo valor e representa o peso “ideal” para um volume de um metro cúbico.

A convenção estipula um fator de cubagem de 300 kg por metro cúbico, ou seja, em cada metro cúbico deve-se ter, no máximo, 300 quilos.

Fórmula para o cálculo da cubagem

Agora que você já sabe o que é o fator de cubagem, fica mais fácil de entender como funciona a fórmula para o cálculo da cubagem.

Sem muitas complicações, a fórmula para o cálculo considera as três dimensões da carroceria – altura, largura e comprimento – e também o fator de cubagem mencionado acima.

ALTURA x LARGURA x COMPRIMENTO x 300 (FATOR DE CUBAGEM)

Se precisarmos, por exemplo, transportar 80 caixas de 0,1m x 0,1m x 0,1m cada uma com 1kg devemos fazer o cálculo da seguinte maneira:

0,1 x 0,1 x 0,1 x 80 x 300 = 24 KG

Ou seja, apesar de contar com uma carga de 80 kg, na cubagem estaríamos ocupando apenas o equivalente a 24 kg de carga.

Você deve estar pensando nesse momento que a tarifa seria mais vantajosa para a transportadora caso levasse em conta o peso real do material, certo? Isso realmente está certo, mas existem compensações.

Por exemplo, cargas leves com grandes volumes terão um efeito inverso após a aplicação da fórmula, o que acaba compensando a “perda de carga”.

Por essa razão, empresas que necessitam de transporte frequente para materiais de maior volume, mas relativamente leves, normalmente optam por contratos de longo prazo e prestação de serviço, ao invés de negociar individualmente cada viagem.

Agora que você já sabe a importância que a cubagem tem no seu frete, que tal fazer uma cotação online, totalmente gratuita? 😉

transporte rodoviário

Transporte rodoviário: o mais utilizado no Brasil

A importância do transporte rodoviário no Brasil é tão grande que uma greve como a que passamos em 2018, literalmente para o país.

Com mais de 1.700.000 quilômetros de estradas, aproximadamente 60% de todas as mercadorias movimentadas no Brasil utilizam o transporte rodoviário para atender a demanda.

O Brasil possui a quarta maior rede de estradas do mundo, sendo esse o principal meio de transportes de cargas e passageiros do país.

Neste post você vai conhecer o transporte rodoviário, o modelo mais utilizado no Brasil. Confira!

Tipos de transportes no Brasil

O Brasil possui outras opções de transporte, além do rodoviário que será detalhado a seguir.

Mas, eles são pouco utilizados se comparadas ao rodoviário, principalmente em função dos baixos investimentos por parte do Governo Federal. São elas:

Transporte Aéreo

Utilizado basicamente nas capitais e principais cidades do país, este modal tem no custo o seu maior entrave e acaba dependendo do transporte rodoviário para a entrega ao cliente final.

Transporte Ferroviário

É utilizado, em regra geral, para o transporte de minérios e grãos.

A malha ferroviária brasileira é a mesma, em termos de tamanho, utilizada no início do século XX. Timidamente este modal vai chamando a atenção, uma vez que os custos de manutenção são menores.

Transporte Aquaviário

Também pouco utilizado a nível nacional, tem destaque especialmente na Região Norte do país, onde as rodovias são poucas e muitas vezes sem condições de tráfego.

O tempo de transporte é um dos maiores entraves para o desenvolvimento.

Transporte Dutoviário

Muito pouco explorado no Brasil, trata-se do transporte de materiais via tubulação, que é instalada no subterrâneo, no mar ou ainda pelas vias aéreas. O gasoduto Brasil-Bolívia é um bom exemplo de transporte dutoviário e um dos maiores do mundo.

Por que o sucesso do transporte rodoviário no Brasil?

Na década de 1920, durante o governo de Washington Luís, ocorreram os primeiros investimentos em rodovias no país.

Em 1926, o Brasil construiu a rodovia Rio-São Paulo, que até o ano de 1940 era a única rodovia pavimentada no país.

Mas, foi no governo de Juscelino Kubitschek (1956 à 1961), com a chegada da indústria automobilística, que as rodovias começaram a surgir em todas regiões do Brasil.

Curiosamente, a substituição das ferrovias pelas rodovias eram tidas como um avanço tecnológico e de modernização.

O fato é que brasileiro gosta e sempre gostou de dirigir e as rodovias se espalharam de tal forma que o transporte rodoviário se transformou nos caminhos do progresso e dos negócios.

Vantagens e desvantagens do transporte rodoviário

As vantagens sobrepõem as desvantagens em relação ao transporte rodoviário no Brasil, uma vez que os investimentos realizados em outros modais de transporte de carga no país recebem ainda menos atenção do que a destinada a infraestrutura das estradas.

Vantagens:

  • Malha rodoviária extensa, atendendo praticamente todas as cidades do país;
  • Burocracia mais simples do que a de outros modais de transporte;
  • Facilidade para contratar os serviços de transporte e flexibilidade no que se refere às rotas.
  • Infraestrutura melhor do que a de outros modais de transporte.

Desvantagens:

  • Falta de segurança e possibilidades maiores para o extravio de cargas (roubos e acidentes);
  • Tempo de entrega é maior do que em algumas outras modalidades de transporte;
  • Baixa capacidade de carga;
  • Custos de transporte, pois envolvem pedágios e combustível caros.

O futuro do transporte rodoviário

O que pode trazer grandes impactos positivos no futuro do transporte rodoviário é o desenvolvimento de novas tecnologias que começam a serem experimentadas em alguns países.

Apesar de ainda estarmos distantes desta realidade, a utilização da energia elétrica em substituição aos combustíveis atuais, ou de alguma outra alternativa que preserve o meio ambiente e diminua os custos é uma realidade em muitos países.

Outra possibilidade que as indústrias estão avaliando e testando são os veículos autônomos, ou seja, sem motorista e que podem rodar sem paradas para descanso e refeições.

A empresa alemã Mercedes Benz já produz sua primeira linha de caminhões autônomos, e os Estados Unidos já possui caminhões com essa tecnologia trabalhando em extração de minérios.

Mas, enquanto o futuro não chega, uma das melhores opções do mercado para atender as necessidades de transporte rodoviário, com agilidade, segurança e preços justos está na CARGOBR.

A CARGOBR contribui efetivamente no sucesso do transporte rodoviário brasileiro, apresentando, através da tecnologia, soluções que contribuem com o mercado, quando o assunto é cotação e a busca pelo melhor custo benefício. Faça seu orçamento gratuito agora mesmo!

Carga consolidada

Carga consolidada – o que é, afinal?

Concentrar diversas cargas e lotes em unidades que sigam um padrão facilita não apenas o transporte de mercadorias, mas também o seu controle e a sua movimentação e nesse processo entra o sistema de carga consolidada.

Esse sistema pode ser definido como tudo aquilo que é unido ou colocado em um mesmo conjunto, formando algo mais elaborado e complexo, um novo item, geralmente maior e também padronizado.

Na logística, as cargas consolidadas se caracterizam pela combinação de volumes e produtos remetidos por diferentes clientes, que possuam as mesmas condições de entrega e rota a ser percorrida.

Se você tem dúvidas sobre a carga consolidada, continue lendo esse post e saiba mais a respeito.

A carga consolidada diminui os custos para o cliente

A partir da carga consolidada, os custos de transporte são diminuídos, uma vez que a empresa consolidadora reúne todas as remessas com o mesmo destino e negocia com a transportadora de forma conjunta.

Desta maneira, a transportadora não trata pacote a pacote, ou remessa a remessa, mas, sim, uma única carga, a chamada carga consolidada.

Esse procedimento faz com que os preços dos fretes diminuam porque quanto maior o peso consolidado, menor o valor a ser pago por unidade.

Isso porque quanto maior o peso, menor o valor do quilo transportado, uma vez que existem tabelas que reduzem esses valores. Isso vale para até mesmo fretes aéreos.

Para você entender melhor: uma encomenda de 5 kgs possui um valor de transporte por quilo maior do que outra de 50 kgs. Do mesmo jeito que acontecem as vendas por atacado, quanto mais você compra, normalmente, mais barato por unidade.

Daí a diminuição dos custos para o cliente final, uma vez que sua carga será reunida com outras, diminuindo o valor do quilo no transporte.

Diminuição do custo para as transportadoras

Os custos também diminuem com relação à mão de obra para logística, carregamento, descarregamento e toda parte burocrática do processo, uma vez que a empresa consolidadora organiza todo o procedimento da reunião das cargas.

Ou seja, a diminuição no preço não acontece apenas para o cliente final, mas também para as transportadoras, uma vez que é economizado espaço, diminuído o número de viagens necessárias e, por consequência, as horas pagas para funcionários e colaboradores.

Além disso, não podemos deixar de citar que haverá diminuição nos custos de pedágios, economia de combustíveis e, claro, menor manutenção dos veículos.

Quais as empresas que atuam com a carga consolidada?

As empresas que trabalham com carga consolidada recebem o nome de “consolidadoras” e caso a empresa também faça o trabalho de armazenar e entregar a mercadoria no seu respectivo local é chamada de “desconsolidadoras”.

Existem transportadoras especializadas em cargas consolidadas que disponibilizam esse serviço, a CARGOBR reúne várias delas em um único lugar, para ficar ainda mais fácil de enviar a sua mercadoria. Entre em nosso site e faça seu orçamento gratuito!

situação das rodovias

Situação das rodovias brasileiras: um desafio a ser vencido

A CNT (Confederação Nacional do Transportes), através da 22ª edição da Pesquisas CNT de Rodovias, traz números que não condizem com o potencial do transporte rodoviário, seja de cargas ou de passageiros, quando o assunto são estradas.

Para se ter como parâmetro, 90% dos passageiros se deslocam pelo país através das vias rodoviárias e 60% das cargas e mercadorias também utilizam as estradas para o abastecimento das cidades.

Também é importante lembrar que o Brasil é a 9ª economia do mundo e sua população é aproximadamente 210 milhões de habitantes.

São muitas pessoas e muita mercadoria circulando de norte a sul do Brasil, num país em que a distância rodoviária entre o Oiapoque (extremo norte) e Chuí (extremo sul) ultrapassam 4 mil quilômetros de distância.

Nesse post apresentaremos o resumo dos estudos realizados pela CNT e a situação das rodovias no Brasil. Confira!

Os números assustam em relação à situação das rodovias

Mesmo com toda potencialidade do Brasil, um dos maiores causadores de prejuízos em termos econômicos e de vidas são as estradas.

A falta de manutenção e as dificuldades enfrentadas pelos motoristas, fazem com que os custos de transportes se elevem, impactando o preço das mercadorias junto ao consumidor final.

Isto se dá em função dos valores que são gastos para a manutenção dos veículos e também em virtude dos prejuízos causados pelas péssimas condições das estradas brasileiras.

A CNT informa que apenas 12,4% da extensão de toda a malha rodoviária federal é pavimentada.

Estes números colocam o Brasil na 112ª posição do ranking de competitividade global do Fórum Econômico Mundial, no quesito qualidade de rodovias.

A situação das rodovias brasileiras preocupa a retomada econômica que deve acontecer em 2019.

Crescimento da frota brasileira

No ano de 2008 a frota brasileira de veículos possuía 54,5 milhões de automóveis.

Passados dez anos, esse número sofreu um aumento de 82,4%, passando a circular pelas rodovias brasileiras 99,4 milhões de automóveis.

A combinação dos números envolvendo o crescimento da frota e a qualidade das rodovias não combinam, e estatísticas oficiais apresentadas, apontam 89.396 acidentes somente nas rodovias federais.

Estes números causaram gastos na ordem de R$ 10,77 bilhões, um prejuízo aos cofres  35% maior do que os valores destinados a investimentos na infraestrutura rodoviária pelo Governo Federal.

O baixo investimento em infraestrutura mostra que a atual situação das rodovias precisa ser revista. Acidentes podem ser evitados a partir de uma manutenção condizente com a nova realidade da frota brasileira.

Mas, os prejuízos não param por aí. Existem outros aspectos que normalmente passam despercebidos e que afetam diretamente a vida da população.

Outros números da pesquisa

A Pesquisa CNT de Rodovias apresenta ainda outras informações importantes, envolvendo desperdícios e prejuízos ambientais.

O consumo de óleo diesel, provocado pela má conservação das rodovias, trouxe um desperdício de cerca de 876,78 milhões de litros deste combustível.

Este desperdício de diesel corresponde aproximadamente R$ 3,02 bilhões, valor este que permitiria a compra de 6.700 caminhões novos.

Também a área ambiental sofre com a situação das rodovias, uma vez que a carga de poluentes jogada ao ar é aumentada em função do desperdício.

Para compensar as emissões de poluentes, decorridas do desperdício do diesel, seriam necessárias a plantação de 14,2 milhões de árvores.

Compilamos todos esses dados em um infográfico para que você não deixe passar nenhuma informação a respeito da situação das rodovias brasileiras.

situação das rodovias

A CARGOBR, mesmo sabendo das limitações e dos problemas de infraestrutura das estradas brasileiras, está a sua disposição para apresentar as melhores soluções e oferecer o melhor custo benefício quando o assunto é transporte rodoviário no Brasil.

Acesse nosso site e faça uma cotação. Você se surpreenderá com a plataforma e com os benefícios da tecnologia a sua disposição!