Anchieta-Imigrantes – dez pistas já é muito pouco

|
publicado: 15/04/2014
imigrantes

Sistema Anchieta-Imigrantes continua sobrecarregado

Desde sua privatização, em 1998, quando o sistema Anchieta/Imigrantes entre a capital paulista e a Baixada Santista foi assumido pela concessionária Ecovias, houve muitas melhoras, especialmente com a entrada de uma nova pista da Imigrantes, além da modernização de trevos, praças de pedágio e outros. Contudo, se analisarmos friamente, podemos dizer que para o segmento de cargas e logística, a coisa não mudou muito: caminhões ainda trafegam apenas pela Anchieta, que continua basicamente a mesma estrada dos anos 70 ou 80.

Com a chegada e intensificação do fluxo de carga no Rodoanel Mário Covas, o mais provável é que o fluxo de caminhões e carretas vindas de toda a Grande São Paulo e interior do estado aumente na boca da serra, no sistema Anchieta/Imigrantes. Muitos argumentam que hoje há dez pistas conduzindo ou vindo do litoral, mas se pensarmos em termos de transportadoras, apenas quatro delas são utilizadas.

Uma alternativa no horizonte

Já há muito se fala a respeito da construção de uma terceira rodovia ligando a Grande São Paulo ao entorno do porto de Santos, mas pouco realmente se fez até hoje e, em meio a muitos projetos e propostas, nada saiu do papel até então. Mas isso pode mudar: com o rodoanel, uma estrada desse porte e com possibilidades para o trânsito de cargas poderia ser aberta apenas do anel em diante, reduzindo a necessidade de desapropriações e diminuindo para praticamente zero a incidência de obras dentro do perímetro urbano.

O projeto que parece ir em frente já tem até um nome: ViaMar. O projeto, estimado em R$ 14 bilhões, propõe a construção de uma pista com apenas 36 quilômetros de extensão, saindo do futuro trecho Leste do Rodoanel, entre os municípios de Suzano e Ribeirão Pires, e seguindo apenas até alguns dos bairros continentais da cidade de Santos. Para “passar” o projeto nos exigentes e morosos processos de licenciamento ambiental, um total de 22 quilômetros da nova rodovia (quase dois terços) consistiriam em túneis cortando a serra.

O projeto adicionaria mais seis pistas ao sistema de tráfego rumo ao litoral, porém abertas também ao transporte de mercadorias. Além disso, o projeto – inovador para padrões brasileiros – também visa a construção de uma ferrovia ao largo da estrada, além de tubulações para o transporte de granéis líquidos e duas plataformas logísticas com equipamentos para realizar transferências intermodais. Projeto esse que aliviaria, e muito, o congestionado Anchieta-Imigrantes.

O projeto ainda precisa, caso seja abraçado pelo poder público, ser aprovado e realizar um chamamento público para concessionárias e construtoras interessadas – e aí vai tempo. O problema é que especialistas já apontam para um colapso na Anchieta nos próximos anos, a exemplo do que já vem ocorrendo no entorno da zona portuária em Santos – capacidade nos terminais e berços existe, mas as vias públicas da cidade já não comportam o fluxo de caminhões.

Um comentário

  1. Admilson Oliveira das Neves

    21/04/2014 as 12:02

    Sem dúvidas seria um grande investimento já que estão prevendo esta estagnação neste sistema, porém, vivemos em um pais de corruptos, eles deixam as coisas bem piores para se apresentar soluções mágicas dobrando o custo isto é vicioso demais.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>